fbpx
doença cardiovascular na menopausa

ARTIGO: Doença cardiovascular na menopausa

Segundo o Hospital do Coração de São Paulo, as chances de as mulheres sofrerem de infarto aumenta em até 30% depois dos 50 anos. A taxa inclusive, é maior do que o câncer de mama, que permanece em quinto lugar nas causas de óbito de acordo a Organização Mundial de Saúde – OMS.

A menopausa é caracterizada pela redução drástica dos níveis de estrogênio, hormônio que estimula a dilatação dos vasos sanguíneos. Durante o período, as mulheres ficam suscetível ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares.
Alguns fatores aumentam ainda mais o risco dessas doenças na menopausa, tais como, tabagismo, sedentarismo, diabetes tipo 2, sobrepeso, e histórico familiar de doença cardíaca. A hipertensão também está na lista de vilões. Quando essa doença sai do controle, as chances de infarto aumentam, assim como de acidente vascular cerebral (AVC).

A terapia de reposição hormonal (TRH) pode auxiliar as mulheres na prevenção, mas precisa ser cuidadosamente avaliada. É preciso combinar algumas práticas para levar uma vida saudável. O cuidado deve ser iniciado o mais breve possível. Uma alimentação equilibrada, com menos gorduras e mais fibras, além da prática de atividades físicas, são fundamentais para a redução dos problemas cardiovasculares e atenuação dos sintomas da menopausa. Os exames preventivos precisam ser incluídos na nossa cultura. A ciência de que a ida ao médico pode ser utilizada para a manutenção da saúde e não apenas em busca de tratamento, salva vidas.

Com a correria do dia a dia, a mulher acredita que a dor no braço, dor na coluna ou o cansaço logo após o trabalho são referentes à rotina intensa. Mas na verdade, estes podem ser alguns sinais de alerta. É preciso que a paciente fique atenta aos alertas do seu corpo.

Há a necessidade de criação de campanhas que estimulem a população feminina a abrir o leque sobre as suas necessidades. O entendimento de que os cuidados com a saúde feminina ultrapassam os cuidados ginecológicos deve ser disseminado aos quatro cantos. Mulheres precisam ampliar prevenção de doenças cardíacas!

 

 

dra. Thais MorenoSobre a autora:

Thais Moreno fez residência em Clínica Médica pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e Cardiologia pelo Instituto Dante Pazzanese de São Paulo. Especialista em Melhoria Contínua pelo Institute for Healthcare Improvement. Fala sobre cardiologia com foco em prevenção cardiovascular, hipertensão, insuficiência cardíaca, problemas cardíacos na mulher pós-menopausa.

 

 

Confira mais conteúdo no programa do Jornal do Médico®️ com o Saúde em Pauta

 

 

Assine a NewsLetter, receba conteúdos relevantes e a revista digital do Jornal do Médico. https://bit.ly/3araYaa

 

Share this post


WhatsApp chat
Send this to a friend