fbpx
artigo: imunidades preexistentes ao covid-19

ARTIGO: Imunidades preexistentes ao COVID-19

À medida que os dados começam a se acumular na detecção e caracterização das respostas das células T em humanos ao SARS-CoV-2, uma descoberta surpreendente foi relatada: linfócitos de 20 a 50% dos doadores não expostos, exibem reatividade significativa aos pools de peptídeos antigênicos SARS-CoV-2.

 

Em um estudo foi detectada reatividade em 50% das amostras de sangue de doadores obtidas nos EUA entre 2015 e 2018, antes que o SARS-CoV-2 aparecesse na população humana. A reatividade das células T foi mais alta contra proteínas que não a proteína spike (pico) do coronavírus, mas a reatividade das células T, também foi detectada contra o pico. A reatividade das células T ao SARS-CoV-2, foi principalmente associada às células T CD4 +, com uma menor contribuição das células T CD8 +.

 

Da mesma forma, em um estudo de doadores de sangue na Holanda, foi detectada reatividade de células T CD4 + contra peptídeos de pico de SARS-CoV-2 em 1 de 10 indivíduos não expostos e contra peptídeos não-spike de SARS-CoV-2 em 2 de 10 indivíduos não expostos. A reatividade das células T CD8 + foi observada em 1 dos 10 doadores não expostos.

 

Em um terceiro estudo da Alemanha, foram relatadas respostas positivas de células T contra peptídeos spike em 34% dos doadores saudáveis ​​soronegativos para SARS-CoV-2 (as células T CD4 + e CD8 + não foram distinguidas).

 

Um quarto estudo de indivíduos na Cingapura, foram identificadas respostas das células T à proteína nucleocapsídeo nsp7 ou nsp13 em 50% dos indivíduos sem histórico de SARS, COVID-19 ou de terem tido contato prévio com pacientes com SARS ou COVID-19.

 

Finalmente, um estudo utilizando amostras do Reino Unido, também detectou reatividade em indivíduos não expostos. Tomados em conjunto, cinco estudos relatam evidências de células T pré-existentes que reconhecem SARS-CoV-2 em uma fração significativa de pessoas de diversas localizações geográficas.

 

Esses primeiros relatórios demonstram que existe uma reatividade substancial das células T em muitas pessoas não expostas; no entanto, os dados ainda não demonstraram a fonte das células T ou se são células T de memória. Especulou-se que as células T específicas para SARS-CoV-2 em indivíduos não expostos podem se originar de células T de memória derivadas da exposição a outros coronavírus de ‘resfriados comuns’, como HCoV-OC43, HCoV-HKU1, HCoV-NL63 e HCoV-229E, que circulam amplamente na população humana e são responsáveis por sintomas respiratórios leves e limitantes. Mais de 90% da população humana é soropositiva para pelo menos três desses coronavírus.

 

E quais são as implicações dessas observações? è o potencial de reatividade cruzada preexistente contra o COVID-19 em uma fração da população humana levou a extensas especulações.

 

A imunidade pré-existente de células T à SARS-CoV-2 pode ser relevante porque pode influenciar a gravidade da doença por COVID-19. É plausível que pessoas com um alto nível de células T CD4 + com memória pré-existente que reconhecem o SARS-CoV-2 possam montar uma resposta imune mais rápida e mais forte após a exposição ao SARS-CoV-2 e, assim, limitar uma maior gravidade da doença.

 

As células T CD4 + auxiliares da memória folicular T (TFH) poderiam potencialmente facilitar uma resposta de anticorpos neutralizantes aumentada e mais rápida contra SARS-CoV-2. As células T CD4 + e CD8 + de memória também podem facilitar a imunidade antiviral direta nos pulmões e nasofaringe logo após a exposição, de acordo com nosso entendimento das células T CD4 + antivirais nos pulmões contra o SARS-CoV relacionado e nossa compreensão geral do valor da memória CD8 + Células T em proteção contra infecções virais. Grandes estudos em que a imunidade preexistente é medida e correlacionada com a infecção prospectiva e a gravidade da doença, podem abordar o possível papel da memória preexistente das células T contra a SARS-CoV-2.

 

Se a imunidade pré-existente das células T estiver relacionada à exposição aos coronavírus de ‘resfriados comuns’, será importante entender melhor os padrões de exposição a eles no espaço e no tempo. Está bem estabelecido que os quatro principais coronavírus de ‘resfriados comuns’ são cíclicos em sua prevalência, seguindo ciclos plurianuais, que podem diferir entre localizações geográficas. Isso leva à hipótese especulativa de que diferenças na distribuição geográfica desses vírus podem se correlacionar com a carga da gravidade da doença por COVID-19.

 

Além disso, hipóteses altamente especulativas relacionadas a células T de memória pré-existentes podem ser propostas em relação ao COVID-19 e idade. As crianças são menos suscetíveis aos sintomas clínicos do COVID-19. Os idosos são muito mais suscetíveis ao COVID-19 na forma fatal. As razões para ambos não são claras. A distribuição etária das infecções por coronavírus de ‘resfriados comuns’ não está bem estabelecida e a sua imunidade deve ser examinada em mais detalhes.

 

Essas considerações sublinham como algumas variáveis ​​podem estar envolvidas na imunidade parcial potencial preexistente ao COVID-19 e múltiplas hipóteses são dignas de exploração adicional, mas deve-se ter cuidado para evitar generalizações ou conclusões excessivas na ausência de dados.

 

A memória pré-existente das células T CD4 + também pode influenciar os resultados da vacinação, levando a uma resposta imunológica mais rápida ou melhor, particularmente o desenvolvimento de anticorpos neutralizantes, que geralmente dependem da ajuda das células T. Ao mesmo tempo, a memória pré-existente de células T, também poderia atuar como um fator de confusão, especialmente em ensaios de vacinas de fase I relativamente pequenos. Por exemplo, se indivíduos com reatividade preexistente fossem classificados de maneira desigual em diferentes grupos de doses de vacina, isso poderia levar a conclusões errôneas. Obviamente, isso poderia ser evitado se se levasse em conta a imunidade pré-existente como uma variável a ser considerada no desenho do estudo.

 

Portanto, é recomendável se medir a imunidade preexistente em todos os ensaios clínicos da fase I da vacina COVID-19. É de notar que essas experiências também ofereceriam uma excelente oportunidade para determinar o potencial significado biológico das células T reativas à SARS-CoV-2 pré-existentes.

 

É frequentemente assumido que a memória pré-existente de células T contra SARS-CoV-2 pode ser benéfica ou irrelevante. No entanto, há também a possibilidade de que a imunidade preexistente possa realmente ser prejudicial, por meio de mecanismos como ‘ofensa antigênica original’ (a propensão a obter respostas imunes potencialmente inferiores devido à memória imune pré-existente a um patógeno relacionado), ou por um aumento da doença mediada por anticorpos. Embora não exista evidência direta para apoiar esses resultados, eles devem ser considerados. Um efeito prejudicial ligado à imunidade preexistente é eminentemente testável e seria revelado pelos mesmos estudos de coorte e vacinas COVID-19 propostos acima.

 

Existem dados substanciais na literatura sobre influenza indicando que a imunidade de células T reativas cruzadas pré-existente pode ser benéfica. No caso da pandemia de influenza H1N1 de 2009, observou-se que havia uma curva de distribuição de idade incomum em forma de ‘V’ para a gravidade da doença, com os idosos se saindo melhor do que os adultos mais jovens. Isso se correlacionou com a circulação de uma cepa H1N1 diferente na população humana décadas antes, o que presumivelmente gerou imunidade pré-existente em pessoas com idade suficiente para serem expostas a ela. Isso foi verificado mostrando que a imunidade pré-existente contra o H1N1 existia na população humana em geral. Deve-se notar que, se existir algum grau de imunidade preexistente contra a SARS-CoV-2 na população em geral, isso também poderá influenciar a modelagem epidemiológica e sugere que um modelo em escala deslizante da suscetibilidade ao COVID-19 possa ser considerado.

 

Em conclusão, é agora estabelecido que a reatividade imunológica pré-existente de SARS-CoV-2 existe em algum grau na população em geral. É levantada a hipótese, mas ainda não comprovada, que isso possa ocorrer devido à imunidade aos coronavírus de “resfriados comuns”. Essa comprovação pode ter implicações para a gravidade da doença COVID-19, para a imunidade do rebanho e para o desenvolvimento de vacinas, que ainda aguardam tratamento com dados reais.

 

Referente ao artigo: Imunidade preexistente à SARS-CoV-2: os conhecidos e os desconhecidos. Publicado em Nature

 

Dylvardo Costa

 

 

Autor: 
Dr. Dylvardo Costa Lima
Pneumologista, CREMEC 3886 RQE 8927
E-mail: dylvardofilho@hotmail.com

 

 

 

Assine a NewsLetter, receba conteúdos relevantes e a revista digital do Jornal do Médico. https://bit.ly/3araYaa

Share this post


WhatsApp chat
Send this to a friend