fbpx
Como comunicar às crianças a morte de um ente querido por COVID-19?

Como comunicar às crianças a morte de um ente querido por COVID-19?

As perdas fazem parte do desenvolvimento humano. Contudo, em nossa cultura contemporânea, a morte é considerada tema tabu, sendo assunto temido e evitado, por estar associado à dor e ao sofrimento. Quando relacionada à infância, é acompanhada de um silenciamento.

O adulto acredita que a melhor conduta é evitar o assunto com a criança, ocultando ou disfarçando a verdade, na tentativa de amenizar o sofrimento. No entanto, essa atitude pode, na verdade, acarretar complicações emocionais aos infantes, pois estes são capazes de perceber e compreender a realidade e ao receberem informações controversas de seus vínculos de confiança, podem apresentar sensações de confusão, angústia, desamparo e solidão, além de desenvolver a perda de confiança nas figuras de referência. A negação de contato com a realidade da perda pode perturbar o momento inicial com o luto, trazendo consequências importantes ao seu desenvolvimento e elaboração.

O luto, como um processo normal de reação a uma perda importante, pode promover sinais e sintomas emocionais, comportamentais, cognitivos e psicológicos. As manifestações mais comuns nas crianças são: retraimento, agressividade, diminuição do rendimento escolar, tristeza, infantilização e irritabilidade. Elas demonstram seus sentimentos de uma maneira específica e devem vivenciar seus lutos para que possam ressignificar sua perda e dotá-la de sentido.

Assim, torna-se importante para criança participar do processo de despedida, com acesso à informações honestas e corretas, de maneira adequada a sua idade, e acolhimento e empatia para com os sentimentos emergentes frente a possibilidade de perda de um ente querido.

A forma como as crianças aprenderão a lidar com a morte nesse período, deixarão marcas em sua vida e na forma de se relacionar com o mundo. A maneira como a criança vai lidar com a perda varia de acordo com a idade, capacidade cognitiva e emocional, vínculo estabelecido com o falecido, relação com perdas anteriores, cultura a qual está inserida, modo de comunicação da família, dentre outros aspectos que devem ser ressaltados para os cuidadores.

Então, com a consciência de que há um desamparo vivenciado pelos adultos quando necessitam ter esse diálogo com as crianças e na tentativa de minimizar sentimentos adversos como angústia e ansiedade frente a essa tarefa, é importante orientar que existem alguns recursos que podem ajudar nesse momento tão complexo.

Materiais lúdicos que dêem orientações didáticas e claras sobre como abordar o tema podem auxiliar nessa tarefa. A utilização de filmes infantis, livros e cartilhas também podem ser uma boa saída. E entre esses materiais, indicamos o e-book gratuito e de fácil acesso “Como comunicar às crianças a morte de um ente querido por COVID-19”. Esse projeto traz, de maneira simples, algumas orientações, desde o processo de adoecimento até após a morte do ente querido, contemplando todas as etapas de cuidado necessárias a esse momento tão doloroso.

 

  Fernanda Gomes Lopes (CRP 05/60578) é psicóloga hospitalar e professora, além de sócia fundadora e diretora da Escutha Psicologia e Saúde. Atualmente a autora mora no Rio de Janeiro e é Doutoranda em Ética, Bioética e Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz). Fernanda é Mestre em Cuidados Continuados e Paliativos pela Universidade de Coimbra, reconhecido pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, além de especialista em Psicologia da Saúde pelo Conselho Regional de Psicologia do Ceará. A psicóloga é Co-autora do livro “Como comunicar às crianças a morte de um ente querido por Covid-19”, publicado pela EdUece.

 

 

 Maria Juliana Vieira (CRP 11/09320) é psicóloga clínica e hospitalar, bem como supervisora pedagógica da Escutha Psicologia e Saúde. Maria Juliana também é mestre em psicologia pela Universidade Federal do Ceará, especialista em pediatria pelo programa de Residência Integrada em Saúde da Escola de Saúde Pública do Ceará em parceria com o Hospital Infantil Albert Sabin. A coautora do ebook “Como comunicar às crianças a morte de um ente querido por Covid-19?” também é especialista em Psicologia da Saúde pelo Conselho Regional de Psicologia e autora do livro “Uma escuta ética do cuidado na morte e no morrer”.

 

 

 

 

Confira mais conteúdo no programa do Jornal do Médico®️ com o Saúde em Pauta

 

Assine a NewsLetter do Jornal do Médico®️ e receba conteúdos relevantes no seu E-mail

Share this post


WhatsApp chat
Send this to a friend