fbpx
Equipe hospitalar no front contra a COVID-19

Equipe hospitalar no front contra a COVID-19

Nesse momento tão complexo que o mundo inteiro vem enfrentando, não é nenhuma novidade que a equipe hospitalar tem se dedicado ao máximo quanto ao combate contra a COVID-19, e desde que os primeiros casos da doença começaram a ser notificados no Ceará, os profissionais de saúde do Estado estão lidando com os desafios impostos pelo novo coronavírus, uma doença pouca conhecida, altamente transmissível, sem vacinas, sem medicações específicas e com capacidade de saturar toda a estrutura de serviços de saúde existentes.

Diante da situação, muitas dessas pessoas que estão atuando na linha de frente da COVID-19 sofreram mudanças drásticas em suas vidas, tanto pessoal quanto profissional. Segundo o Dr. Fabrício César, Pediatra e Coordenador Médico da UTI Pediátrica III do Hospital Infantil Albert Sabin em Fortaleza, o período de adaptação às mudanças causadas  pela pandemia foi o mais complicado, além da constante exposição ao perigo, estando sempre tratando pessoa infectadas pela doença. “A exposição maciça ao vírus não passou inerte para mim, assim como para a grande maioria dos profissionais da área de saúde com quem trabalho.”, contou o Dr. Frabrício.

Já o Dr. Louis Artur atua como emergencista, mas os desafios e o medo do desconhecido não deixam de existir nessa área também. Assim como outros profissionais da saúde que buscam dar o melhor de si nesse momento, Dr. Louis lamenta que mesmo diante da diminuição dos casos de COVID-19 que tem acontecido atualmente, essa doença ainda possa causar tanto estrago. Além disso, o médico ressalta a importância do trabalho em equipe na luta contra o coronavírus. “É importante enaltecer o trabalho em equipe, pois o médico sozinho nada conseguiria sem o auxílio do fisioterapeuta, do enfermeiro, do técnico de enfermagem e auxiliares e de limpeza, todos dentro da suas atribuições.”, afirmou.

Fora isso, esse grande desafio afeta também os profissionais de saúde recém-formados. Dr. Antonio Gilvan, que é médico recém-formado pela UFCA, já está atuando no enfrentamento da pandemia e começou a trabalhar como médico plantonista das emergências dos hospitais municipais no maciço de Baturité, nas cidades de Guaramiranga, Pacoti, Baturité e Mulungu. Além de atuar nas emergências, o médico-recém formado também tem trabalhado como médico de família e comunidade em uma UBS em Pacoti (UBS Volta do Rio), carregando consigo a grande responsabilidade de lidar com as dificuldades causadas pela COVID-19.

 

Fonte: Jornal do Médico

 

Confira mais conteúdo no programa do Jornal do Médico®️ com o Saúde em Pauta

 

 

Assine a NewsLetter do Jornal do Médico®️ e receba conteúdos relevantes no seu E-mail

Share this post


WhatsApp chat
Send this to a friend