fbpx
sindrome do coração partido

Síndrome do coração partido e estudo inédito feito pela SBC

A síndrome de Takotsubo, que também é conhecida como “síndrome do coração partido” ou “cardiomiopatia por estresse”, ainda é muito desconhecida no país. Ela ocorre no momento em que os músculos do coração enfraquecem, causando sintomas como dor no peito, falta de ar ou cansaço. Essa doença pode ser desencadeada por eventos estressantes e não por bloqueios na corrente sanguínea, mas se apresenta como um ataque cardíaco e pode ser fatal em casos raros.

No Brasil, existem 14 milhões de pessoas acometidas por doenças cardiovasculares, responsáveis por mais de 30% das mortes no país. São mais de 300 mil óbitos todos os anos, configurando um problema de saúde pública agora agravado pela pandemia do novo coronanvírus.

Com o objetivo de criar um registro nacional sobre a doença, a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) vem realizando um estudo inédito no país sobre a síndrome de Takotsubo. Esse estudo visa saber mais sobre o perfil epidemiológico da síndrome no Brasil e busca melhorar o seu diagnóstico ao proporcionar tratamentos mais eficazes, além da prevenção dessa patologia.

Atualmente, o único levantamento disponível no Brasil sobre a doença é um estudo regional com 169 pacientes internados com diagnóstico de Takotsubo ou que desenvolveram essa condição durante a internação, entre outubro de 2010 e o mesmo período de 2017, em 12 hospitais do estado do Rio de Janeiro, que será publicado no próximo mês nos Arquivos Brasileiros de Cardiologia da SBC. A análise trouxe que a média dos pacientes acometidos pela síndrome tinha 71 anos, era em sua maioria mulheres (90,5%), com prevalência de dor torácica (63,3%) e histórico de estresse emocional considerável, registrado aproximadamente em 40% dos casos.

O estudo sobre a síndrome do coração partido teve início em junho, e até o momento 32 centros que atendem pacientes com problemas cardíacos em todo o país estão cadastrados na plataforma de banco de dados organizado pela SBC, por meio do Departamento de Insuficiência Cardíaca e do Grupo de Estudos de Cardiomiopatias da entidade. A estimativa é ter ao fim do registro os dados analisados de mais de 400 pacientes, o que representará um dos maiores arquivos mundiais sobre a síndrome feito por um único país.

No país, a situação da síndrome pode estar se igualando ao que vem acontecendo nos Estados Unidos, onde médicos da Cleveland Clinic, em Ohio, descobriram um aumento da incidência de Takotsubo durante a pandemia de Covid-19. Em dois hospitais do sistema de saúde americano, os diagnósticos de cardiomiopatia por estresse aumentaram durante março e abril e a doença foi diagnosticada em 7,8% dos pacientes que chegaram ao pronto-socorro da instituição com dor no peito e outros possíveis sintomas cardíacos.

 

SOBRE A SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA

Fundada em 14 de agosto de 1943, na cidade de São Paulo, por um grupo de médicos destacados liderados por Dante Pazzanese, o primeiro presidente, a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), tem atualmente um quadro de mais de 13.000 sócios e é a maior sociedade de cardiologia latino-americana, e a terceira maior sociedade do mundo.

 

Confira mais conteúdo no programa do Jornal do Médico®️ com o Saúde em Pauta

 

Assine a NewsLetter, receba conteúdos relevantes e a revista digital do Jornal do Médico. https://bit.ly/3araYaa

Share this post


WhatsApp chat
Send this to a friend