fbpx

Dra. Ana Margarida faz apreciação da obra “O Triunfo da Morte” de Pieter Bruegel.

O espaço Medicina e Cultura do Jornal do Médico, coordenado por nossa conselheira Dra. Ana Margarida, traz hoje uma apreciação crítica da obra “O Triunfo da Morte” de Pieter Bruegel, o Velho.

 

Pieter Bruegel, pintor e gravurista holandês, nasceu cerca de 1525/30, em Breda, e morreu em 1569, em Bruxelas. Considerado o artista mais importante da pintura renascentista flamenga, retratou paisagens e cenas camponesas, temas inovadores na época em que a temática religiosa era recorrente na pintura. Em seus quadros, como esse que estamos analisando, o Triunfo da Morte, Bruegel realçava as fraquezas e loucuras humanas. Ele é considerado o primeiro pintor ocidental a retratar paisagens como elemento central e não como um pano de fundo para suas pinturas.

 

Esta tela, “O Triunfo da Morte”, encontra-se no Museu do Prado, em Madri. O tema procede do Apocalipse e do Eclesiastes e demonstra a força da cultura popular medieval. Na pintura, Bruegel retrata a vitória da morte sobre as coisas mundanas. No fundo do quadro podemos observar uma paisagem com cenas de destruição em um terreno baldio, fumegante, repleto de devastações. No centro vemos a figura da morte, na frente de seus exércitos, cavalgando e ceifando seres humanos de todas as idades e condições sociais. As pessoas são empurradas para uma armadilha mortal, um imenso ataúde. Ninguém se salva nessa representação macabra.  Até o rei, embaixo à esquerda, entrega a coroa e o cetro nas mãos da Morte e um casal de amantes, na extremidade inferior direita, canta sentindo a presença da Morte.

 

 

 

Coluna Medicina, Cultura e Arte
Autora e Coordenadora: Dra. Ana Margarida Arruda Rosemberg, médica, historiadora, imortal da Academia Cearense de Medicina e conselheira do Jornal do Médico.

 

 

Assine  a Newsletter do Jornal do Médico® e receba todos os conteúdos como esta em seu e-mail. 

Share this post


WhatsApp chat
Send this to a friend