fbpx
COVID-19 e síndrome metabólica: a dieta pode ser a chave?

COVID-19 e síndrome metabólica: a dieta pode ser a chave?

Na atual pandemia do COVID-19, os governos exigem distanciamento social e boa higiene das mãos, mas pouca atenção é dada ao possível impacto da dieta nos resultados de saúde. A má alimentação é o contribuinte mais significativo para o ônus de doenças crônicas relacionadas ao estilo de vida, como obesidade, diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares. Vários Centros de Controle e Prevenção de Doenças no mundo relataram que, entre os casos de COVID-19, as duas condições de saúde subjacentes mais comuns eram doença cardiovascular (32%) e diabetes tipo 2 (30%).

 

As hospitalizações foram seis vezes maiores entre os pacientes com uma condição subjacente relatada (45,4%) do que aqueles sem comorbidades (7,6%). As mortes foram 12 vezes maiores entre os pacientes com condições subjacentes relatadas (19,5%) em comparação com aqueles sem elas (1,6%). Dois terços das pessoas no Reino Unido que ficaram gravemente doentes com COVID-19, estavam com sobrepeso ou obesidade, e 99% das mortes na Itália ocorreram em pacientes com condições pré-existentes, como hipertensão, diabetes e doenças cardíacas. Essas condições, conhecidas coletivamente como síndrome metabólica, estão ligadas ao comprometimento da função imunológica, e com sintomas e complicações mais graves da COVID-19.

 

Um fator importante que impulsiona a fisiopatologia da síndrome metabólica é a resistência à insulina, que é  definida como uma resposta biológica prejudicada à insulina, o hormônio que regula os níveis de glicose no sangue. A desregulação dos níveis de glicose no sangue desempenha um papel importante na inflamação e nas doenças respiratórias. Um estudo de pacientes com COVID-19 com diabetes tipo 2 preexistente, mostrou que aqueles com melhor controle regulado da glicose no sangue se saíram melhor do que aqueles com baixo controle da glicemia. Especificamente, glicose no sangue bem controlada foi associada a intervenções médicas reduzidas, lesões graves em órgãos e menor mortalidade por todas as causas durante a hospitalização, em comparação com indivíduos com glicose no sangue mal controlada.

 

O fator mais significativo que determina os níveis de glicose no sangue é o consumo de carboidratos na dieta, ou seja, carboidratos refinados, amidos e açúcares simples. No entanto, as recomendações alimentares oficiais da maioria dos países ocidentais defendem uma dieta com baixo teor de gordura (baixa) e rica em carboidratos, que pode exacerbar a hiperglicemia. Essas diretrizes alimentares formam a base de cardápios em asilos e enfermarias em que pessoas com COVID-19 e síndrome metabólica pré-existente, estão passando durante a recuperação ou por repouso.

 

O problema não se limita apenas a asilos e hospitais. Como as pessoas se auto isolam em casa, muitas estão estocando alimentos básicos não perecíveis que são mais baratos, como massas, pão, arroz e cereais (ricos em carboidratos). Nosso suprimento de alimentos é dominado por alimentos altamente processados e embalados, e alimentos como pizza, rosquinha; e bebidas como sucos de frutas e outras bebidas açucaradas, provavelmente causam hiperinsulinemia e inflamação, especialmente naqueles com síndrome metabólica.

 

Como o mundo está enfrentando a transmissão rápida de um novo vírus, houve poucas oportunidades para conduzir ensaios sobre, se os pacientes com COVID-19 se saem melhor com dietas com pouco carboidrato, em comparação com outras dietas. No entanto, existem evidências robustas de que a restrição de carboidratos na dieta é uma maneira segura e eficaz de obter um bom controle glicêmico e perda de peso, além de reduzir a necessidade de medicamentos no tratamento da diabetes tipo 2.

 

Em 2018, no encontro anual da Diabetes, realizado na Austrália, foi divulgada uma declaração de posição afirmando que havia evidências confiáveis ​​de que uma menor ingestão de carboidratos pode ser segura e útil na redução dos níveis de glicose no sangue, no peso corporal e no gerenciamento de fatores de risco de doenças cardíacas, como aumento do colesterol e da pressão arterial. Além disso, em 2019, a American Diabetes Association, e em 2020 a Diabetes Canada, endossaram dietas com baixo teor de carboidratos como uma opção viável para melhorar a glicemia e o potencial de reduzir medicamentos para indivíduos com diabetes tipo 2.

 

Para concluir, diz a pesquisadora, que a restrição de carboidratos na dieta é uma intervenção simples e segura que resulta em rápidas melhorias no controle glicêmico e que pode ser implementada juntamente com os cuidados usuais em um ambiente médico ou domiciliar. Embora a fisiopatologia do COVID-19 seja multifatorial, a resistência à insulina está entre os determinantes mais fortes da função metabólica prejudicada.

 

Portanto, a adoção de conselhos alimentares para pessoas com síndrome metabólica subjacente, deve ser mais amplamente apoiado por governos e formuladores de políticas de saúde em todo o mundo, para reduzir o ônus da doença metabólica pré-existente naqueles que contraem COVID-19, agora e no futuro.

 

Em um outro artigo publicado no  The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism em 14/07/2020, pesquisadores americanos comentam sobre o Diabetes, a obesidade e previsão de risco de desenvolver COVID-1 grave.

 

O COVID-19 grave afeta desproporcionalmente idosos e pacientes com comorbidades que incluem diabetes, obesidade, hipertensão, doença cardiovascular, doença renal crônica e doença pulmonar crônica. No mundo, uma parcela significativa de hospitalizações, internações em UTI e óbitos ocorrem em indivíduos com mais de 70 anos. A presença de comorbidades aumenta o risco de hospitalizações e mortes. A interação entre idade e comorbidades em uma determinada população, determina a heterogeneidade de risco para COVID-19 grave.

 

De fato, a prevalência específica por idade das condições subjacentes varia de acordo com o país. Compreender a interação entre idade, comorbidades e capacidade do sistema de saúde, é essencial para estratégias de proteção e redução da mortalidade. Da mesma forma, são urgentemente necessários modelos específicos de populações que prevejam o risco de desenvolver COVID-19 grave e que exijam internações hospitalares.

 

Consistente com outros estudos da China, Europa e EUA, esse estudo relata que a obesidade e o diabetes são fatores de risco importantes para os maus resultados do COVID-19 no México. Indivíduos com 65 anos ou mais de idade apresentam risco acentuado de hospitalização, internação em UTI e necessidade de ventilação mecânica, enquanto os menores de 40 anos apresentam risco reduzido. No entanto, a presença de diabetes tipo 2 em indivíduos com menos de 40 anos (diabetes tipo 2 precoce), aumenta substancialmente o risco de hospitalização e morte devido ao COVID-19. Esses achados são consistentes com outros estudos e sugerem que a presença de uma comorbidade como o diabetes anula o efeito protetor conferido pela idade mais jovem.

 

E concluem os autores afirmando que os dados do estudo mostram os impactos associados ao COVID no diabetes de início recente, bem como as complicações graves associadas ao diabetes, como a cetoacidose; que acarretariam uma disfunção metabólica ao final de uma série de sequelas fisiopatológicas da infecção pelo SARS-CoV-2. Por fim, os autores não conseguiram testar os efeitos do índice de massa corporal (IMC) na hospitalização e morte. No entanto, é importante comparar os gradientes de risco entre grupos étnicos, sexo e idade.

 

 

Referente ao artigo: COVID-19 e síndrome metabólica: a dieta pode ser a chave? publicado em bmj. 

E ao artigo: Previsão de Diabetes, Obesidade e Risco de COVID-19 Grave, publicado em jcem

 

Dylvardo Costa

 

 

Autor: 
Dr. Dylvardo Costa Lima
Pneumologista, CREMEC 3886 RQE 8927
E-mail: dylvardofilho@hotmail.com

 

 

 

Assine a NewsLetter, receba conteúdos relevantes e a revista digital do Jornal do Médico. https://bit.ly/3araYaa

Share this post


WhatsApp chat
Send this to a friend