fbpx
Apreciação crítica da obra de Pieter Bruegel O Velho (1525-1569) - Os Aleijados (1568)

Apreciação crítica da obra de Pieter Bruegel, O Velho (1525-1569) – Os Aleijados (1568)

Descrição Técnica (fonte: Museu do Louvre)

Pieter BRUEGEL, O Velho, (Breughel (?), cerca de 1525 – Bruxelas, 1569)
Os Mendigos, 1568
Óleo sobre madeira
0,185 m x 0,215 m
Presente de Paul Mantz, diretor-geral honorário da École des Beaux-Arts, 1892
Os Aleijados
R.F. 730
Pinturas
Richelieu, Ala 2ª
Museu do Louvre-Paris

 

Pieter Bruegel, pintor e gravurista holandês, nasceu cerca de 1525, em Breughel(?), e morreu em 1569, em Bruxelas. Considerado o artista mais importante da pintura renascentista flamenga, Bruegel inovou retratando paisagens e cenas camponesas, tópicos inovadores na época em que a temática religiosa era recorrente na pintura. Mostrando pessoas comuns, Bruegel realçou as fraquezas e loucuras humanas.  Ele é considerado o primeiro pintor ocidental a retratar paisagens como elemento central e não como um pano de fundo para suas pinturas.

Nesta tela, cinco mendigos aleijados se arrastam de muletas no pátio de um hospital de tijolos vermelhos. Eles parecem caminhar em direções diferentes para esmolar. Observamos uma mulher no fundo segurando uma tigela de mendicância. Muitas hipóteses surgiram para interpretar esta pintura, principalmente relativas as caudas-raposas penduradas nas roupas dos mendigos.  Segundo o site do Museu do Louvre-Paris, a cena pode ser uma alusão a Kappermaandag, o dia da festa dos mendigos realizada anualmente na segunda-feira após a Epifania.  Na referida festa, os mendigos cantavam e imploravam por esmolas nas ruas. A composição também pode ser uma alusão ao carnaval. Neste caso, a pintura seria uma paródia satírica, com os mendigos representando as diferentes classes de uma sociedade decadente. As classes são indicadas por seus capacetes: o rei por uma coroa de papelão, o exército por um coiffe de papel, a burguesia por uma boina, os camponeses por um boné e a Igreja por uma mitra de bispo. Acredita-se também que a pintura contenha uma alusão à situação política do dia da Revolta dos Mendigos contra a ocupação espanhola na Holanda Não houve comprovação de nenhuma das hipóteses relatadas acima.

Podemos ler no canto inferior esquerdo da tela: Bruegel M. D. LXVIII. Na parte de trás estão inscrições contemporâneas em latim e flamengo comentando sobre os aleijados. Segundo Armando Bezerra, em seu livro “As belas Artes da Medicina”, Bruegel, ao pintar essa tela, quis afrontar pessoas sadias que não se importam com os deficientes físicos.

 

Ana Margarida Furtado Arruda Rosemberg

Fortaleza, 30 de julho de 2020

 

dra. anaColuna Medicina, Cultura e Arte
Autora e Coordenadora: Dra. Ana Margarida Arruda Rosemberg, médica, historiadora, imortal da Academia Cearense de Medicina e conselheira do Jornal do Médico.

 

 

 

 

 

Assine a NewsLetter, receba conteúdos relevantes e a revista digital do Jornal do Médico. https://bit.ly/3araYaa

 

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Send this to a friend