fbpx

ARTIGO: Quais as diferenças de sexo e imunidade na evolução da COVID-19?

A Síndrome respiratória aguda grave coronavírus-2 (SARS-CoV-2) é o novo coronavírus detectado pela primeira vez em Wuhan, na China, em novembro de 2019, que causa a doença por coronavírus 2019 (COVID-19). Um crescente corpo de evidências revela que o sexo masculino é um fator de risco para doenças mais graves, incluindo a morte. Globalmente, aproximadamente 60% das mortes por COVID-19 são relatadas em homens, e um estudo de coorte de 17 milhões de adultos na Inglaterra, relatou uma forte associação entre sexo masculino e risco de morte por COVID-19 (razão de risco 1,59 comparado a mulheres).

Estudos anteriores demonstraram que o sexo tem um impacto significativo no resultado de infecções e foi associado a diferenças subjacentes na resposta imunológica à infecção. Por exemplo, a prevalência de hepatite A e tuberculose é significativamente maior em homens do que em mulheres. As cargas virais são consistentemente maiores em pacientes do sexo masculino com vírus da hepatite C (HCV) e vírus da imunodeficiência humana (HIV).

Por outro lado, as mulheres desenvolvem uma resposta imunológica mais robusta às vacinas. Essas descobertas sugerem coletivamente uma capacidade mais vigorosa entre as mulheres de controlar agentes infecciosos. No entanto, o mecanismo pelo qual o SARS-CoV-2 causa doença mais grave em pacientes do sexo masculino do que em pacientes do sexo feminino, ainda permanece desconhecido.

Para elucidar as respostas imunes contra a infecção por SARS-CoV-2 em homens e mulheres, foram realizadas análises detalhadas sobre as diferenças entre os sexos no fenótipo imunológico por meio da avaliação de cargas virais, níveis de anticorpos específicos para SARS-CoV-2, citocinas/quimiocinas plasmáticas e fenótipos de células sanguíneas.

Os resultados revelaram diferenças importantes nas respostas imunes durante o curso da doença da infecção por SARS-CoV-2 em pacientes do sexo masculino e feminino. Primeiro, descobriu-se que os níveis de várias quimiocinas e citocinas imunes inatas pró-inflamatórias importantes, como interleucina-8, interleucina-18 (no início do estudo) e a citocina CCL5 (análise longitudinal) foram maiores em pacientes do sexo masculino, que se correlacionaram com monócitos não clássicos (na linha de base).

Em segundo lugar, observou-se uma resposta de células T mais exuberante entre pacientes do sexo feminino em comparação com os pacientes do sexo masculino no início do estudo. Em particular, as células T CD8 ativadas foram significativamente elevadas apenas em pacientes do sexo feminino, mas não em pacientes do sexo masculino, em relação a voluntários saudáveis. A análise de sua trajetória clínica revelou que, embora as fracas respostas de células T estivessem associadas à progressão futura da doença em pacientes do sexo masculino, níveis mais elevados de citocinas imunes inatas, foram associados ao agravamento da doença COVID-19 em pacientes do sexo feminino.

É importante ressaltar que a resposta das células T foi significativa e negativamente correlacionada com a idade dos pacientes do gênero masculino, mas não do feminino. Esses dados indicam diferenças importantes nas capacidades imunológicas básicas em homens e mulheres durante a fase inicial da infecção por SARS-COV-2, e sugerem um potencial suporte imunológico dos mecanismos distintos de progressão da doença entre os sexos. Essas análises também fornecem uma base potencial para a adoção de abordagens diferentes em relação ao sexo para prognóstico, prevenção, cuidado e terapia para pacientes com COVID-19.

Embora se acredite que esse estudo forneça uma base sólida para uma investigação mais aprofundada sobre como a dinâmica da doença COVID-19 pode diferir entre homens e mulheres, é importante notar que existem algumas limitações para as análises apresentadas neste trabalho. Em primeiro lugar, reconhece-se que os profissionais de saúde saudáveis ​​usados ​​como população de controle não foram pareados aos pacientes com base na idade, IMC ou fatores de risco subjacentes. Para explicar isso, realizou-se análises ajustadas para as comparações basais e longitudinais entre os pacientes e os profissionais de saúde, controlando por idade e IMC.

No entanto, não se pode descartar uma confusão residual devido a fatores de risco subjacentes não disponíveis para os profissionais da saúde usados como controles. Coletivamente, esses dados sugerem que vacinas e terapias para elevar a resposta imune de células T ao SARS-CoV-2, podem ser garantidas para pacientes do sexo masculino, enquanto pacientes do sexo feminino podem se beneficiar de terapias que reduzam a ativação imune inata no início da doença. O panorama imunológico em pacientes com COVID-19 é consideravelmente diferente entre os sexos, e essas diferenças podem estar subjacentes ao aumento da suscetibilidade a doenças nos homens.

Concluem os autores que, um crescente corpo de evidências indica diferenças entre os sexos nos resultados clínicos da COVID-19. No entanto, se as respostas imunes contra SARS-CoV-2 diferem entre os sexos, e se essas diferenças explicam a suscetibilidade masculina ao COVID-19, é atualmente ainda desconhecido. Nesse estudo, foram examinadas as diferenças dos sexos nas cargas virais, títulos de anticorpos específicos para SARS-CoV-2, citocinas plasmáticas, bem como a fenotipagem de células sanguíneas em pacientes com COVID-19. Ao se focar essa análise em pacientes com doença moderada que não receberam medicamentos imunomoduladores, os resultados revelaram que os pacientes do sexo masculino tinham níveis plasmáticos mais elevados de citocinas imunes inatas, como IL-8 e IL-18, juntamente com indução mais robusta de monócitos não clássicos.

Em contraste, os pacientes do sexo feminino montaram uma ativação de células T significativamente mais vigorosa do que os pacientes do sexo masculino durante a infecção por SARS-CoV-2, que é mantida na idade mais avançada. É importante ressaltar que foi descoberto que uma fraca resposta de células T se correlacionou negativamente com a idade dos pacientes e foi associada a pior evolução da doença em pacientes do sexo masculino, mas não em pacientes do sexo feminino. Por outro lado, citocinas imunes inatas mais elevadas em pacientes do sexo feminino estão associadas a pior progressão da doença, mas não em pacientes do sexo masculino. Esses achados revelam uma possível explicação subjacente aos vieses dos diferentes sexos observados no COVID-19 e fornecem uma base importante para o desenvolvimento de uma abordagem baseada no gênero para o tratamento e cuidado de homens e mulheres com COVID-19.

 

Referente ao artigo Diferenças de sexo nas respostas imunes, que explicam diferentes evoluções da COVID-19, publicado na Nature.

 

Dylvardo Costa

 

 

Autor: 
Dr. Dylvardo Costa Lima
Pneumologista, CREMEC 3886 RQE 8927
E-mail: dylvardofilho@hotmail.com

 

 

 

Assine a NewsLetter, receba conteúdos relevantes e a revista digital do Jornal do Médico. https://bit.ly/3araYaa

Share this post


WhatsApp chat
Send this to a friend