fbpx

ARTIGO: Tipos de máscaras e as diferenças na filtração

As máscaras N95 que já ultrapassaram a data de validade ou que foram usadas e reesterilizadas, são alternativas aceitáveis ​​às novas máscaras N95 de uso único padrão, indicam uma nova pesquisa. Mas algumas máscaras começam com melhor eficiência de filtragem do que outras.

Os equipamentos de proteção individual (PPE) e, especialmente, as máscaras N95, nomeados por sua capacidade de filtrar 95% ou mais de minúsculas partículas de 0,3 μm, são produtos escassos na época do COVID-19.

A escassez de máscaras PPE e N95 levou alguns provedores e sistemas de saúde a serem criativos, adotando práticas não padronizadas, como o uso de máscaras N95 vencidas e que foram submetidas a vários processos de descontaminação, para prolongar o seu uso. Os hospitais também estão adotando máscaras importadas ou doadas, que não são aprovadas pelo Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH) dos EUA, como uma possível substituição para máscaras N95 aprovadas pelo NIOSH.

Mas quão seguras e eficazes são essas alternativas? Um novo estudo publicado na JAMA Internal Medicine fornece alguns dados tranquilizadores.

Pesquisadores americanos testaram as eficiências de filtração ajustada (FFEs) de 29 alternativas diferentes de máscara facial ajustada, usadas por um voluntário masculino e outro feminino, em uma câmara de exposição construída para este objetivo.

Eles mediram os FFEs durante uma série de movimentos repetidos do tronco, da cabeça e dos músculos faciais, para recriar as atividades ocupacionais típicas do usuário da máscara. Eles usaram um gerador de partículas para complementar a contagem de partículas do ambiente na câmara.

De acordo com um estudo retrospectivo, os respiradores N95 que ultrapassaram a data de validade em até 11 anos com faixas elásticas intactas e que foram esterilizados com óxido de etileno e peróxido de hidrogênio retiveram FFEs > 95%. O desempenho das máscaras N95 no tamanho errado foi ligeiramente inferior, com FFEs entre 90% e 95%.

Os pesquisadores também avaliaram a esterilização a vapor para dois modelos de respiradores. O vapor distorceu visivelmente os respiradores 3M 1860 N95, tornando-os “inadequados” para reutilização. No entanto, as máscaras faciais 3M 1870+ Aura não foram visivelmente alteradas e mantive eram a filtração > 95% de FFE, quando submetidas a um único ciclo de autoclavagem a vapor.

Todas as seis máscaras não listadas como aprovadas não alcançaram 95% de FFE. São elas: SAS Safety Corp 8617 Duckbill; Fangtian Duckbill FT-032 com válvula de exaustão; Safe Life N95 B150; Máscara Jia Hu Kang KN95 com presilhas para as orelhas; Zhongshan Dongfeng Huangshang GM700; e Guangdong Fei Fan KN95.

Além disso, nenhuma das duas máscaras importadas aprovadas pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC), mas não pelo NIOSH (Dasheng DTC-3X-1 e DTC-3X-2), atingiu 95% de FFE; DTC-3X-1 foi o mais eficaz das duas (aproximadamente 80% FFE).

“Essas máscaras, que têm alças elásticas para as orelhas e um design com dobra vertical, foram menos eficazes quando o indivíduo de teste se curvou na cintura e olhou para cima e para baixo”, dizem os pesquisadores.

 

Máscara N95 3M

Não surpreendentemente, as máscaras cirúrgicas e de procedimento tinham FFEs médios substancialmente mais baixos do que os respiradores N95, eles descobriram. A variabilidade em seus desempenhos dependia em grande parte da rigidez do contato entre o material e a pele do usuário.

Em todos os testes, o FFE de máscaras presas por laços superou aqueles presos por presilhas de orelha, dizem os pesquisadores. As máscaras de procedimento com alças auriculares apresentaram FFEs de apenas 38,1%. Elas foram menos eficazes quando a cabeça do usuário se moveu da esquerda para a direita (21,2% FFE) e criaram lacunas visíveis entre a máscara facial e o usuário.

 

Máscaras Cirúrgicas com laços

“Tomados em conjunto, esses dados sugerem que as alças elásticas podem não fornecer tensão adequada para manter um ajuste firme durante uma gama típica de movimentos. Além disso, essas descobertas ilustram a importância do ajuste para maximizar a eficácia geral das máscaras”, relatam os pesquisadores.

“Esta avaliação fornece resultados quantitativos nos quais administradores de saúde, líderes da cadeia de suprimentos e epidemiologistas hospitalares, podem tomar decisões baseadas em evidências para proteger médicos e outros profissionais de saúde durante uma pandemia ou por falta de máscara de longo prazo”, concluem.

 

Máscaras de procedimentos com alças de orelhas

Os autores dizem que apesar do FFE “imperfeito” aparente de máscaras não aprovadas pelo NIOSH e máscaras cirúrgicas em laboratório, “há motivos para otimismo em relação à sua eficácia no mundo real”. É “extremamente importante” encontrar maneiras inovadoras de superar a escassez de PPE, dizem.

“Clínicos de primeira linha e profissionais de saúde essenciais, que se envolvem nos procedimentos de maior risco devem receber o mais alto nível de proteção com máscaras N95 aprovadas pelo NIOSH”, eles apontam.

O estudo atual mostra que o uso da máscara reprocessada e o com a validade expirada do tipo N95, é “seguro e oferece excelente alternativa às máscaras N95 padrão de uso único.

Apesar da menor eficiência de filtração de partículas submicrônicas, máscaras cirúrgicas e outras alternativas N95, provavelmente fornecem proteção adequada contra a transmissão de rotina.”

 

Referente ao artigo A comparação de tipos de máscaras mostra diferenças importantes na filtração de micropartículas, publicado na revista Jama.

 

Dylvardo Costa

 

 

Autor: 
Dr. Dylvardo Costa Lima
Pneumologista, CREMEC 3886 RQE 8927
E-mail: dylvardofilho@hotmail.com

 

 

 

Assine a NewsLetter, receba conteúdos relevantes e a revista digital do Jornal do Médico. https://bit.ly/3araYaa

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Send this to a friend