fbpx

FDA e o receio da autorização emergencial das vacinas COVID-19

Há sinais sérios de que a Food and Drug Administration (FDA) está perdendo o controle sobre a noção de emissão de autorizações de uso emergencial (AUE) para permitir a ampla distribuição antecipada de vacinas Covid-19. Em vez disso, parece que a agência pode estar explorando a ideia de usar o acesso expandido, um programa mais limitado que é normalmente usado para medicamentos experimentais, nos primeiros dias do lançamento da vacina Covid-19.

Considerando que há algumas semanas a preocupação da agência era proteger contra a possibilidade de vacinas não comprovadas serem adiadas prematuramente devido à pressão do Presidente Trump, agora o temor é que a autorização antecipada de vacinas poderia desperdiçar uma chance única de determinar o quão bem várias vacinas funcionam e quais funcionam melhor em quem.

Marion Gruber, diretora do escritório de pesquisa e revisão de vacinas do FDA, colocou a questão em discussão quando os membros do Comitê Consultivo de Vacinas e Produtos Biológicos Relacionados começaram a discutir uma série de perguntas que a equipe do FDA colocou no final de um dia exaustivo de encontro virtual quinta-feira.

“Estamos preocupados com o risco de que o uso de uma vacina sob um AUE possa interferir na avaliação de longo prazo de segurança e eficácia em testes em andamento, e potencialmente até mesmo comprometer a aprovação do produto”, disse Gruber. “E não apenas a primeira vacina, mas talvez até as vacinas de reforço.”

O presidente interino do comitê, Arnold Monto, da Universidade de Michigan, que tem décadas de experiência no estudo da eficácia das vacinas, colocou em termos mais terríveis durante a discussão. O fabricante de uma vacina Covid-19 que recebe um QUE, pode não ser capaz de gerar dados adicionais suficientes para se candidatar a uma licença completa, disse Monto.

O problema decorre de questões éticas espinhosas sobre se, uma vez que uma vacina foi liberada para uso pelo FDA, as pessoas que foram designadas aleatoriamente para receber um placebo em seu ensaio clínico, devem ser informadas e receber a vacina. A vacinação das pessoas que receberam injeções de placebo, o braço de controle do ensaio, acabaria com a capacidade de continuar a comparar os dois grupos após o que teria sido um breve ensaio.

O laboratório Pfizer e a BioNTech, que trabalham em parceria, e esperam ser a primeira a se inscrever para uma autorização de uso de emergência, em algum momento em meados de novembro, indicaram que planejam revelar seu ensaio e oferecer às pessoas a vacina com braço de placebo. (Quando um ensaio é cego, os participantes não sabem se receberam vacina ou uma injeção de placebo.)

A revelação antecipada desses ensaios realmente vai contra o conselho do FDA. A agência está pedindo aos fabricantes de vacinas que mantenham seus testes ocultos o máximo possível, para coletar o máximo de dados possível.

As AUE podem desencadear outro problema relacionado. As pessoas em ensaios clínicos podem escolher retirar e tentar obter a vacina que foi autorizada para uso de emergência, especialmente se estiverem em um grupo de alto risco, que provavelmente estará na linha de frente quando as vacinas começarem a se tornar acessível. A inscrição nos ensaios clínicos para outras vacinas Covid pode diminuir, pois as pessoas podem decidir que não querem correr o risco de serem randomizadas para receber um placebo e, em vez disso, aguardar a sua vez de obter a vacina liberada sob uma AUE.

Se os ensaios forem interrompidos muito cedo, os testes, que foram estruturados para fornecer respostas rápidas sobre se as vacinas Covid evitam infecções sintomáticas por Covid-19, podem não responder a perguntas adicionais importantes, que são necessárias para descobrir como usar melhor as várias vacinas que foram produzidas, se como é esperado, várias vacinas comprovarem realmente funcionar.

Para a maioria dos testes de vacinas, o “desfecho primário” é mostrar que eles evitam a doença de Covid-19 sintomática em pelo menos 50% dos vacinados. Mas também existem “desfechos secundários”. Os desfechos secundários incluem se as vacinas reduzem o número de casos graves de Covid-19 e como funcionam em subconjuntos importantes da população, como idosos ou pessoas da raça negra, que foram desproporcionalmente atingidas pela pandemia. Testes que terminam após atingir apenas o seu desfecho final primário, deixarão lacunas de conhecimento, alertaram vários especialistas.

“Podemos ter dados limitados e, em alguns casos, nenhuma informação sobre alguns dos desfechos secundários”, disse Stephanie Schrag, epidemiologista dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, que fez uma apresentação na reunião. “Isso seria particularmente verdadeiro no caso de uma AUA inicial, porque muitos desses desfechos finais secundários requerem mais tempo do que o primário para acumular dados.

Jesse Goodman, um ex-cientista-chefe da FDA que ouviu a reunião, concorda com as preocupações da agência. Respostas sobre como essas vacinas funcionam bem, por quanto tempo funcionam e quais funcionam melhor para qual segmento da população, serão sempre mais claras se forem geradas por ensaios clínicos randomizados – o padrão ouro dos ensaios clínicos.

“Digamos que uma dessas vacinas tenha, você sabe, 60% de eficácia e outra tenha 80%. Ou ema um delas, a eficácia diminuiu após quatro meses, e o outro dura um ano inteiro. Vai beneficiar as pessoas descobrir isso agora, em vez de três anos depois, a partir de dados observacionais ruins ”, disse Goodman ao STAT.

Usar o acesso expandido em vez de autorizações de uso emergencial (AUE), seria um processo mais complicado e criaria alguns desafios. As pessoas que deveriam ser vacinadas teriam que assinar formulários de consentimento informado, o que requer uma discussão dos riscos e benefícios durante a administração da vacina; dados de segurança de vacinados também teriam que ser coletados. Mas Goodman disse que essa rota pode garantir melhor a continuação dos testes clínicos.

Membros do comitê consultivo da FDA pareciam compartilhar as preocupações da equipe da agência que estava pedindo sua orientação. Sheldon Toubman, advogado de New Haven, Connecticut, que é o representante do consumidor no painel, disse que seria sua preferência que as vacinas não fossem distribuídas sob autorizações de uso emergencial. Toubman disse que o público teme que a política, não a ciência, esteja conduzindo o processo de aprovação e as AUEs não dissiparão essas opiniões.

Uma série de pesquisas, incluindo uma publicada na segunda-feira pelo STAT e pela Harris Poll, mostrou que o público está esfriando com a ideia das vacinas Covid. Acredita-se que o declínio da porcentagem de americanos que afirmam estar dispostos a ser vacinados, esteja relacionado à politização do processo de aprovação de vacinas, que Trump tentou acelerar nas semanas que antecederam a eleição.

Emily Martin, professora assistente de epidemiologia de doenças infecciosas da Universidade de Michigan que estuda a eficácia das vacinas, pediu ao comitê que avisasse o FDA de que os AUEs não deveriam permitir que as empresas interrompessem seus testes clínicos precocemente.

“Sem dados de estudos randomizados completos e definitivos, não teremos a base de evidências necessária para monitorar e adaptar as estratégias de vacinação, conforme necessário ao longo dos muitos anos em que essas vacinas estarão em uso”, disse Martin. “O término antecipado desses testes prejudicará irrevogavelmente nossa capacidade de otimizar o uso eficaz das vacinas daqui pra frente.”

Goodman concordou que uma AUE inicial poderia realmente deixar um fabricante com poucos dados para persuadir o FDA a emitir uma licença completa, embora ele pensasse que esse não era o cenário mais provável. “Acho mais provável do que isso, mas realmente, do ponto de vista da saúde pública, seria como se não tivessemos informações suficientes para entender como essas vacinas se comparam entre si e funcionam em termos de segurança e eficácia, e como se não soubéssemos como usá-los em um contexto de saúde pública ”, disse. “O que pode acabar prejudicando muito mais pessoas ao final de contas.”

 

Referente ao Artigo FDA mostra sinais de receio sobre a autorização de emergência das vacinas Covid-19, publicado em STAT.

 

Dylvardo Costa

 

 

Autor: 
Dr. Dylvardo Costa Lima
Pneumologista, CREMEC 3886 RQE 8927
E-mail: dylvardofilho@hotmail.com

 

 

 

Assine a NewsLetter, receba conteúdos relevantes e a revista digital do Jornal do Médico. https://bit.ly/3araYaa

 

Share this post


WhatsApp chat
Send this to a friend