fbpx

Pesquisadores criticam a nova droga contra a COVID-19

Em 19 de outubro, o governo brasileiro organizou uma cerimônia de alto nível para anunciar o que anunciava como um novo avanço na luta contra a pandemia COVID-19: o antiparasitário nitazoxanida. O presidente Jair Bolsonaro estava presente, assim como vários outros membros do gabinete. “Estamos anunciando algo que começará a mudar a história da pandemia”, disse o ministro da Ciência, Marcos Pontes. Só faltou uma coisa na apresentação: as provas. E quando surgiu 4 dias depois, os cientistas ficaram decididamente desapontados.

Bolsonaro tem sido um defensor incansável da hidroxicloroquina para tratar COVID-19, mesmo depois que grandes ensaios clínicos mostraram que não funcionou. Agora, seu governo está promovendo a nitazoxanida, que foi testada em um ensaio clínico liderado por Patricia Rocco, pesquisadora de fisiologia respiratória da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e patrocinado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Administrada precocemente, a nitazoxanida reduz significativamente os níveis do vírus em pacientes com infecção leve por COVID-19, disse Rocco na reunião, reduzindo o risco de transmissão do vírus a outras pessoas ou de desenvolvimento de doenças mais graves.

Estudos in vitro mostraram que a droga – usada principalmente para tratar infecções por helmintos e protozoários – retarda a replicação do SARS-CoV-2. E, como Pontes apontou na cerimônia, a nitazoxanida é barata, fácil de produzir e tem poucos efeitos colaterais. Está disponível no Brasil desde 1996 e pode ser adquirido em qualquer farmácia.

Rocco não apresentou números, tabelas ou gráficos para apoiar suas afirmações de que a nitazoxanida funciona em humanos, no entanto. Os dados não puderam ser mostrados, disse ela, porque estão sob revisão em um jornal. Mas anunciar as descobertas foi a coisa certa a fazer, porque centenas ainda morrem de COVID-19 no Brasil todos os dias. “Seria correto omitir essa informação e esperar que 14.000 pessoas morressem dentro de um mês? ”, ela perguntou. Os únicos “dados” disponíveis, mostrados em um vídeo elegante, eram um gráfico de barras genérico, retirado do Shutterstock, com uma seta apontando para baixo e o texto “NITAZOXANIDA É EFETIVO”.

Quatro dias após a cerimônia, Rocco e seus colegas, sob pressão da comunidade científica, decidiram postar o estudo como uma pré-impressão no medRxiv antes de sua publicação. Depois de inspecionar os dados, muitos pesquisadores concluíram que não significavam muito, e certamente não mudariam a história da pandemia.

O artigo apresenta dados de 392 pacientes com doença leve, metade dos quais recebeu nitazoxanida, em média 5 dias após o início dos sintomas; a outra metade recebeu um placebo. O “resultado primário” do estudo foi o alívio da tosse, febre e fadiga após 5 dias de tratamento. Nitazoxanida não fez diferença lá; nem evitou a hospitalização ou causou qualquer alteração nos biomarcadores sanguíneos da doença. Mas a carga viral, a quantidade de RNA do vírus detectada em amostras de nasofaringe usando um teste de reação em cadeia da polimerase (PCR), foi “significativamente” menor no grupo tratado; 30% tiveram resultados negativos para SARS-CoV-2 no final do tratamento de 5 dias, contra 18% no grupo de placebo. “Este efeito pode ter um impacto epidemiológico, potencialmente diminuindo a disseminação da SARS-CoV-2 na comunidade, a morbidade e a mortalidade”, escrevem os autores.

O tratamento terminou no quinto dia, mas os 95 pacientes que ainda apresentavam os sintomas foram contatados por telefone uma semana depois. Naquela época, 78% dos pacientes no grupo de tratamento relataram não ter sintomas, contra 57% no grupo de controle.

Mas nada disso impressionou os críticos. Uma carga viral mais baixa tem pouco significado se não fizer o paciente se sentir melhor, dizem os cientistas, e é improvável que reduza a transmissão da doença 10 dias após o início dos sintomas. “Todos que examinaram os dados disseram que essa redução da carga viral não tem implicações clínicas ou epidemiológicas”, acrescenta Renato Sabbatini, professor aposentado de ciências médicas da Universidade Estadual de Campinas.

Outros pesquisadores observam que, nesse estágio de um caso de COVID-19 leve, o paciente já montou uma resposta imunológica e o que o teste de PCR está medindo são principalmente fragmentos de material genético viral que não vêm do vírus ativo. O modesto benefício nos sintomas 1 semana após o término do tratamento, e até 17 dias após o início dos sintomas, também dificilmente é motivo de comemoração, diz Glória Teixeira, epidemiologista da Universidade Federal da Bahia. “Os resultados deste estudo não justificam a prescrição desse medicamento para o tratamento do COVID-19”, diz ela.

O governo está usando o estudo como “mais uma peça de propaganda populista, com o objetivo de criar uma falsa impressão de que a situação está sob controle, a pandemia não é tão grave e tudo vai ficar bem”, disse Natalia Pasternak Taschner, presidente da o Science Question Institute, uma organização privada que promove a integridade científica.

Rocco, em um e-mail para a Science, escreveu que a crítica é um aspecto normal e saudável do debate científico, mas lamentou que “alguns colegas, aparentemente ansiosos por contribuir” tivessem chegado a “conclusões prematuras” sobre o estudo. Ela acrescentou que tanto os desfechos primários quanto os secundários são importantes em um ensaio clínico e citou outros estudos para defender sua avaliação de que uma carga viral mais baixa tem relevância clínica e epidemiológica.

“Os cientistas não podem omitir dados durante uma pandemia; todo conhecimento deve ser revelado e faz parte de um processo construtivo ”, escreveu Rocco. Questionada se ela achava que a nitazoxanida poderia ajudar a prevenir as 14.000 mortes que ela mencionou em 19 de outubro, ela não respondeu.

Para os pesquisadores, o episódio é mais um exemplo de como a política supera a ciência no governo Bolsonaro. Em seu discurso no evento, o presidente protestou contra a vacinação obrigatória para o COVID-19 e mais uma vez apontou a hidroxicloroquina como tratamento. Pontes, em entrevista coletiva posteriormente, se gabou de que o estudo era relevante para “todo o planeta” e caiu em prantos ao agradecer aos cientistas por seu “trabalho incansável pelo Brasil e para ajudar a salvar vidas”.

 

Referente ao artigo Pesquisadores criticam a nova droga contra o COVID-19 do governo brasileiro:  “Outra peça de propaganda populista” publicado em SCIENCE.

 

Dylvardo Costa

 

 

Autor: 
Dr. Dylvardo Costa Lima
Pneumologista, CREMEC 3886 RQE 8927
E-mail: dylvardofilho@hotmail.com

 

 

 

Assine a NewsLetter, receba conteúdos relevantes e a revista digital do Jornal do Médico. https://bit.ly/3araYaa

Share this post


WhatsApp chat
Send this to a friend