fbpx

Conheça sete maneiras de conter a pandemia e impedir a próxima

É difícil imaginar uma época em que ficamos com medo de outra doença contagiosa, mas em 2003, muitos de nós trabalhando na preparação hospitalar, estávamos extremamente preocupados com a SARS. Embora o número de casos tenha sido inicialmente baixo, algumas estimativas mostraram que 10 por cento dos pacientes infectados morreram. Quando meus colegas e eu, no Centro Johns Hopkins para Segurança de Saúde, mapeamos como poderia ser a transmissão generalizada de um vírus semelhante ao da SARS nos Estados Unidos, foi assustador.

Felizmente, aprendemos que a SARS era realmente contagiosa apenas quando os pacientes estavam muito doentes, não quando eram assintomáticos ou apresentavam uma doença leve. A epidemia foi controlada em cerca de seis meses, com apenas 8.098 casos em todo o mundo; e os EUA tiveram apenas oito pacientes e zero mortes. Como internista e médico de emergência que se concentra na preparação para pandemias, eu sabia que havíamos nos esquivado de uma bala.

Eu também sabia que talvez não tivéssemos tanta sorte no futuro. Então, nos 17 anos intermediários, meus colegas e eu estudamos o curso da SARS e uma doença posterior chamada MERS, essa com uma taxa de fatalidade ainda maior (ambas causadas por novos coronavírus), bem como outros novos vírus assustadores, como Nipah, Ebola e um série de influenzas aviárias, para antecipar o que poderemos encontrar a seguir. E ainda assim, aqui estamos.

No final de outubro, a Covid-19 havia infectado mais de 8 milhões de pessoas e matado mais de 220.000 somente nos EUA, e podemos ainda estar a menos da metade da pandemia. O Instituto de Métricas e Avaliação de Saúde (IHME) da Universidade de Washington previu outras quase 180.000 mortes nos EUA de outubro a fevereiro, se as tendências atuais continuarem. Os Estados Unidos têm 4% da população mundial, mas cerca de 20% das infecções e mortes por Covid-19.

O ditado “fique em casa quando estiver doente” pode não ser mais uma tática de redução suficiente. O país deve enfrentar todos os erros que cometeu com a Covid-19 para mitigar os efeitos da próxima pandemia. E haverá uma próxima: mudanças climáticas, crescimento populacional e políticas ambientais deficientes em todo o mundo, criaram uma era de epidemias. Quando penso em todos os passos que deveríamos ter dado e quantas mortes poderiam ter sido evitadas, minha cabeça gira. Mas algumas lições são muito claras.

Colocando Lições Práticas da Pandemia:

1) Em primeiro lugar, os americanos precisam abraçar o fato de que as intervenções de saúde pública, como distanciamento social, uso de máscaras e evitar áreas internas lotadas realmente funcionam. O desafio, agora, é entender o valor relativo de cada uma das intervenções, e encontrar formas de minimizar suas perturbações para a economia e a sociedade.

Por exemplo, o uso correto de uma máscara de boa qualidade pode permitir que muitas atividades sejam retomadas com mais segurança e salvem vidas, mais de 60.000 entre agora e fevereiro, de acordo com o IHME.

2) Especialistas em doenças infecciosas também devem obter uma melhor compreensão da disseminação assintomática da SARS-CoV-2. Se metade das pessoas pode espalhar o vírus antes de apresentarem quaisquer sintomas, torna-se muito mais difícil de conter. Nós, pesquisadores, temos que reconsiderar nossas suposições sobre a transmissão assintomática de outros vírus respiratórios, e o ditado “fique em casa quando estiver doente” pode não ser mais uma tática de redução suficiente.

3) O governo dos EUA precisa de maior controle sobre a cadeia de suprimentos médicos. Nunca mais teremos que pedir aos provedores que tratem os pacientes sem a proteção adequada. Para evitar uma falha recorrente, vamos armazenar mais equipamentos de proteção individual (EPI) e confiar menos nas cadeias de suprimentos internacionais na hora certa. Para que isso aconteça, devemos monitorar melhor a cadeia de abastecimento nacional para que o governo saiba se há uma escassez iminente, e o que pode ser feito para corrigi-la. Deve haver algum grau de influência federal se houver escassez, para que o governo possa incentivar ou obrigar as empresas a aumentar a produção.

4) Os EUA devem criar um escritório federal permanente de alto nível com autoridade, poder político e orçamento, para se preparar e responder imediatamente a emergências de saúde catastróficas, incluindo pandemias. Esse escritório deve estar no Conselho de Segurança Nacional, com acesso direto ao Presidente, e ser apoiado por um escritório correspondente no Departamento de Saúde e Serviços Humanos. Esses escritórios se concentrariam exclusivamente na preparação e resposta a desastres que estão além do normal, aqueles que têm o potencial de causar danos catastróficos à saúde das pessoas e à economia.

5) Os hospitais americanos precisam de muito mais capacidade para lidar com o surto. Durante os primeiros dias da pandemia, os hospitais abriram espaço para os pacientes cancelando outros serviços, como cirurgias. Isso não é sustentável a longo prazo. Os hospitais devem desenvolver estratégias para adicionar espaço, pessoal e suprimentos adicionais para realmente expandir suas capacidades, em vez de apenas deslocar outros serviços.

6) Para reduzir o efeito de qualquer doença infecciosa, testes rápidos que forneçam resultados em horas (ou mesmo minutos), não em dias, fariam toda a diferença. Se esses testes fossem generalizados, o mundo estaria muito diferente agora: as pessoas poderiam ir para o trabalho e estudar, e talvez até visitar parentes em asilos. A tecnologia agora permite que novos testes sejam criados muito rapidamente (em dias ou semanas), mas precisamos superar os obstáculos burocráticos arcaicos e glaciais e devemos planejar os testes em uma escala muito maior.

7) Finalmente, os EUA sofrem imensamente sem liderança e comunicações consistentes. Mensagens irregulares geraram muita confusão e minaram a confiança do público nas autoridades de saúde e no governo, justamente quando é mais necessário.

Passamos quase duas décadas nos preparando para uma grande pandemia, mas quando ela veio, como sabíamos que aconteceria, ainda perdemos tempo, e às vezes deixamos cair a bola. Vamos começar a colocar em prática o que aprendemos agora, a tempo de amenizar o impacto desta pandemia, e antes que a próxima chegue.

 

Referente ao artigo Sete maneiras de conter esta pandemia e de impedir a próxima, publicado em Medscape

Dylvardo Costa

 

 

Autor: 
Dr. Dylvardo Costa Lima
Pneumologista, CREMEC 3886 RQE 8927
E-mail: dylvardofilho@hotmail.com

 

 

 

Assine a NewsLetter, receba conteúdos relevantes e a revista digital do Jornal do Médico. https://bit.ly/3araYaa

 

 

Share this post


WhatsApp chat
Send this to a friend