fbpx

Quando teremos uma vacina?

Nos últimos meses, epidemiologistas nos Estados Unidos e em todo o mundo receberam a mesma pergunta por médicos, jornalistas e membros do público: “Quando teremos uma vacina?”. A resposta óbvia a essa pergunta seria: “Quando uma vacina candidata for comprovada como segura, eficaz e disponível. Isso pode ser determinado apenas por dados científicos, não por uma data de calendário prevista. ” Mas percebemos que tal resposta, embora precisa, ignora muito do que as pessoas estão buscando entender.

A ênfase em “nós” revela que a maioria das pessoas quer muito mais do que uma data estimada de entrega da vacina. Sua investigação envolve normalmente três questões. Primeiro, quando o público poderá ter confiança de que as vacinas disponíveis são seguras e eficazes? Em segundo lugar, quando uma vacina estará disponível para pessoas como elas? E, em terceiro lugar, quando a imunidade provocada pela vacina será alta o suficiente para permitir um retorno às condições pré-pandemia?

Frequentemente, o questionamento também é se, as empresas de biotecnologia e vacinas, as agências governamentais e os especialistas médicos envolvidos no desenvolvimento, licenciamento e recomendação do uso de vacinas Covid-19, têm a percepção de que as respostas que fornecem agora influenciarão o que acontecerá depois.

Muitas vezes há uma sensação de que as mensagens sobre vacinas Covid-19 podem ter um enquadramento problemático (por exemplo, “velocidade de dobra”) e fazer afirmações que envolvem termos-chave (por exemplo, “seguro” e “eficaz”), para as quais as definições dos especialistas podem variar e podem diferir consideravelmente do público em geral e das subpopulações principais.

À medida que as vacinas da Covid-19 passam para os ensaios clínicos de fase 3, o entusiasmo sobre as tecnologias inovadoras e sofisticadas que estão sendo usadas, precisa ser substituído pela consideração das ações e mensagens que promoverão a confiança entre os médicos e o público. Embora grandes investimentos tenham sido feitos no desenvolvimento de vacinas seguras e eficazes, é importante lembrar que é o próprio ato da vacinação que previne danos e salva vidas. Considerada integralmente, a pergunta “Quando teremos uma vacina Covid-19?”, deixa claro as muitas maneiras pelas quais os esforços relacionados ao “quando” e ao “nós” podem afetar a aplicação da vacinação.

Reconhecer a importância de ambos os aspectos da questão, pode ajudar as autoridades de saúde pública e os cientistas a aprimorar as mensagens atuais relacionadas às vacinas Covid-19, e a construir uma base melhor para os médicos que irão educar os pacientes e pais sobre a vacinação. As diretrizes recentemente divulgadas pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA sobre o teste de vacinas candidatas Covid-19, são cientificamente sólidas e indicam que nenhum compromisso será feito quando se trata de avaliar a segurança e eficácia. Este compromisso precisa ser declarado repetidamente, tornado aparente durante o teste da vacina e no processo de aprovação e apoiado pela transparência.

Garantias em relação ao esforço de velocidade de dobra para desenvolver uma vacina, ou para emitir autorizações de uso de emergência (AUE) acelerando a disponibilidade, devem deixar claras as maneiras pelas quais os ensaios clínicos e os processos de revisão usados ​​por agências federais (o FDA, o National Institutes of Health e os Centros de Controle de Doenças e Prevenção), avaliarão objetivamente a segurança e eficácia das vacinas desenvolvidas usando novas plataformas. Os médicos e o público devem ter acesso facilitado a materiais de fácil compreensão, que façam referência a estudos, dados e apresentações disponíveis publicamente relacionados à segurança e eficácia.

Os planos do FDA e do CDC para sistemas robustos de segurança e monitoramento de vacinas pós-licenciamento de longo prazo, também precisarão ser tornados visíveis, particularmente para os profissionais de saúde, que são essenciais para o sucesso desses esforços.

A segunda parte fundamental desta questão refere-se à quando uma vacina segura e eficaz contra Covid-19 estará disponível para algumas, a maioria ou todas as pessoas que a desejam. Essa questão tem componentes técnicos e morais, e as respostas em ambas as frentes podem promover ou impedir a aceitação pública de uma vacina.

Os dados do teste de anticorpos sugerem que cerca de 90% das pessoas são suscetíveis ao Covid-19. Aceitando que 60 a 70% da população teria que ser imune, seja como resultado de infecção natural ou vacinação, para alcançar a proteção da comunidade (também conhecida como imunidade de rebanho), cerca de 200 milhões de americanos e 5,6 bilhões de pessoas em todo o mundo precisariam ser imune para acabar com a pandemia. A possibilidade de que demore anos para alcançar a cobertura vacinal necessária para que todos sejam protegidos, levanta questões difíceis sobre os grupos prioritários e o acesso doméstico e global.

Dado o ceticismo público das instituições governamentais, e as preocupações sobre a politização das prioridades das vacinas, o recente estabelecimento de um comitê da Academia Nacional de Medicina (NAM) para formular critérios, para garantir a distribuição equitativa das vacinas Covid-19 iniciais, e para oferecer uma orientação sobre como lidar com a hesitação vacinal, é um passo importante. O relatório do NAM deve ser muito útil para o Comitê Consultivo sobre Práticas de Imunização do CDC, o grupo que tradicionalmente desenvolve recomendações de vacinação nos Estados Unidos. As deliberações do NAM sobre quais grupos serão priorizados para vacinação, envolvem a identificação dos valores sociais que devem ser considerados, e o relatório comunicará como esses valores informaram suas recomendações.

As pessoas com maior risco de doenças – como profissionais de saúde, residentes de asilos, presidiários e trabalhadores, idosos, pessoas com problemas de saúde subjacentes e pessoas de comunidades minoritárias e de baixa renda – serão as primeiras a obter acesso? Alternativamente, a principal prioridade será reduzir a transmissão priorizando a força de trabalho pública, trabalhadores essenciais, estudantes e jovens que podem ter maior probabilidade de espalhar a infecção de forma assintomática?

E como os Estados Unidos compartilharão as doses das vacinas com outros países, onde as infecções também podem representar uma ameaça aos americanos?

A divulgação de relatórios de comitês de especialistas, entretanto, não deve ser equiparada à comunicação bem-sucedida com o público sobre as vacinas candidatas e sua disponibilidade. Nos Estados Unidos e em muitos outros países, novas vacinas e recomendações de vacinação raramente são lançadas com informações públicas substanciais e recursos educacionais. A maioria dos investimentos em comunicação com os médicos e o público, ocorre quando a adoção de vacinas recém-recomendadas, como a vacina contra o papilomavírus humano ou a vacina contra influenza sazonal, fica aquém dos objetivos. Desde os esforços de vacinação contra a poliomielite de March of Dimes na década de 1950, não houve grande investimento em informações públicas e defesa de novas vacinas.

Já existe uma enxurrada de desinformação nas redes sociais e de ativistas antivacinas, sobre as novas vacinas que poderiam ser licenciadas para a Covid-19. Se pesquisas recentes, sugerindo que cerca de metade dos americanos aceitariam a vacina Covid-19 forem precisas, serão necessários recursos substanciais e apoio político ativo e bipartidário, para atingir os níveis de aceitação necessários para atingir os limites de imunidade do rebanho.

A alta aceitação de vacinas Covid-19 entre os grupos priorizados, também não deve ser presumida. Muitas pessoas nesses grupos desejarão ser vacinadas, mas sua disposição será afetada pelo que for dito, pela maneira como for dito e por quem o fará nos próximos meses. Fornecer informações convincentes e baseadas em evidências, usando mensagens e materiais cultural e linguisticamente apropriados, é um desafio complexo. Usar pessoas de confiança, como figuras públicas, líderes políticos, figuras do entretenimento e líderes religiosos e comunitários, pode endossar a aceitação à vacinação, e pode ser uma forma eficaz de persuadir a parte do público que está aberta a tal recomendação. Por outro lado, persuadir as pessoas que têm dúvidas ou se opõem a uma recomendação médica específica é difícil, requer comprometimento e engajamento, e geralmente não tem sucesso.

Por fim, pesquisas sugerem que médicos, enfermeiras e farmacêuticos, continuam sendo os profissionais de maior confiança nos Estados Unidos em muitas partes do mundo. O envolvimento extensivo, ativo e contínuo dos médicos, é essencial para alcançar uma alta aceitação das vacinas Covid-19, que serão necessárias para que a sociedade volte às condições pré-pandêmicas.

Enfermeiros e médicos são as fontes mais importantes e influentes de informações sobre vacinação para pacientes e pais. Em todo o mundo, os profissionais de saúde precisarão ser bem informados e fortes endossantes da vacinação contra Covid-19. Uma resposta mais completa para a pergunta comum é, portanto, “Teremos uma vacina Covid-19 segura e eficaz quando os estudos de pesquisa, processos de envolvimento, comunicação e esforços de educação realizados durante o estágio de ensaio clínico, construíram confiança e resultaram em recomendações de vacinação sendo compreendido, apoiado e aceito pela grande maioria do público, grupos prioritários e não prioritários. ” Esforços para envolver diversas partes interessadas e comunidades nas estratégias de educação sobre vacinação da Covid-19, mensagens principais e materiais para médicos e o público são necessários agora.

 

Referente ao artigo “Quando teremos uma vacina” – Perguntas e respostas sobre a vacinação Covid-19, publicado em New England Journal of Medicine

 

Dylvardo Costa

 

 

Autor: 
Dr. Dylvardo Costa Lima
Pneumologista, CREMEC 3886 RQE 8927
E-mail: dylvardofilho@hotmail.com

 

 

 

Assine a NewsLetter, receba conteúdos relevantes e a revista digital do Jornal do Médico. https://bit.ly/3araYaa

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Send this to a friend