fbpx

Um profissional de saúde pode recusar a vacina COVID-19?

À medida que os hospitais de todo o país, desenvolvem seus planos para vacinar seus funcionários de saúde contra a COVID-19, uma questão importante surge: e se um funcionário, seja enfermeiro, médico ou outro profissional de saúde, se recusar a receber a vacina? Os hospitais podem exigir que seus funcionários sejam vacinados contra a COVID-19? E que consequências um funcionário pode enfrentar por recusar a vacina?

Essa resposta precisa ser baseada, em parte, na lei relacionada às vacinas anteriores, a da gripe, por exemplo, porque até esse momento nenhuma vacina para COVID-19 foi aprovada, embora a aprovação de pelo menos uma vacina seja esperada dentro de uma semana. Portanto, ainda não houve ofertas de vacina e nem recusas, e portanto, nem casos até o momento envolvendo funcionário que se recusaram de receber a vacina da COVID-19. Em dezembro de 2020, não havia leis estaduais ou federais que exigissem que um funcionário fosse vacinado contra a COVID-19 ou que protegesse um funcionário que recusasse a vacinação contra a COVID-19. Depois de a vacina ser aprovada e distribuída, demorará um pouco para que as recusas, reações, ações políticas, casos e questões legais comecem a surgir.

Se olharmos para a lei relacionada aos profissionais de saúde que se recusaram a ser vacinados contra o parente mais próximo ao COVID-19, o vírus influenza, então a resposta seria sim, os empregadores podem exigir que os funcionários sejam vacinados. Um empregador pode despedir um empregado que se recusa a vacinação contra a gripe. Se um funcionário que recusou e foi demitido processa o empregador por rescisão indevida, o funcionário tem mais ou menos chance de sucesso dependendo do motivo da recusa. Alguns tribunais e a Comissão de Oportunidades Iguais de Emprego dos EUA (EEOC) consideraram que uma recusa por motivos religiosos está protegida pela Constituição dos EUA. A Constituição protege a liberdade de praticar a religião. Religiões específicas podem ter uma série de princípios que apoiam a recusa em ser vacinado.

Uma recusa por motivos médicos também pode ser bem-sucedida, se os motivos médicos alegados se enquadrarem nas proteções do Ato dos Americanos com Deficiências (ADA), mas podem falhar quando os fundamentos médicos para a reivindicação não são cobertos pelo ADA.

A recusa por motivos seculares não médicos, como a política do profissional de saúde de tratar seu corpo como seu templo, não agradou aos empregadores ou aos tribunais. No entanto, em pelo menos um caso, uma enfermeira que recusou a vacinação por motivos seculares não médicos, ganhou uma ação contra seu empregador, em um recurso. O tribunal de apelações concluiu que o hospital violou seus direitos da Primeira Emenda.

Os funcionários que se recusarem a vacinação por motivos religiosos ou médicos, ainda precisarão tomar medidas para proteger os pacientes e outros funcionários contra infecções. Um empregador, como um hospital, pode, em vez de despedir o funcionário, oferecer-lhe uma opção, como exigir que o funcionário use uma máscara ou coloque-o em quarentena. Não há casos que assegure o direito de um funcionário, de se recusar a usar máscara ou de ser colocado em quarentena.

A situação com a vacina da COVID-19 é diferente da situação em torno das vacinas contra a influenza. Existem muitos dados sobre a eficácia e os efeitos colaterais das vacinas contra influenza, mas há muito pouca evidência dos efeitos de curto ou longo prazo das vacinas da COVID-19 que estão sendo testadas e/ou consideradas para aprovação. Pode-se argumentar que o processo de desenvolvimento da vacina é o mesmo para todas as vacinas de vírus. No entanto, a confiança do público no processo de verificação da vacina não é o que era antes. Foi amplamente divulgado que os ensaios da vacina COVID-19 foram apressados. Em dezembro de 2020, apenas 60% da população americana em geral afirmava que tomaria a vacina, embora os pesquisadores digam que a confiança está aumentando.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos designaram os profissionais de saúde como os primeiros na fila para receber a vacina, mas alguns profissionais de saúde podem não querer ser os primeiros a experimentá-la. Uma pesquisa do CDC descobriu que 63% dos profissionais de saúde entrevistados nos últimos meses disseram que receberiam uma vacina da COVID-19.

Os sindicatos entraram na conversa. Uma coalizão de sindicatos que representam profissionais de saúde disse: “Precisamos de uma estratégia de vacina federal transparente e baseada em evidências, baseada em princípios de equidade, segurança e prioridade, bem como esforços robustos para lidar com um alto grau de ceticismo sobre a segurança de uma vacina.” A organização se recusou a promover uma vacina até que mais informações sejam conhecidas.

A Orientação provisória do CDC para empresas e empregadores que respondem à doença do Coronavírus 2019, maio de 2020, atualizada em 4 de dezembro de 2020, não aborda as vacinas. A página do CDC sobre a vacinação COVID-19 para profissionais de saúde não aborda a recusa do profissional de saúde. O site garante aos profissionais de saúde que o processo de desenvolvimento da vacina é sólido: “O sistema de segurança da vacina atual é forte e robusto, com capacidade de monitorar com eficácia a segurança da vacina da COVID-19. Os sistemas de dados existentes têm métodos analíticos validados que podem detectar rapidamente os sinais estatísticos para possíveis problemas de segurança da vacina. Esses sistemas estão sendo ampliados para atender totalmente às necessidades da nação. Sistemas e fontes de dados adicionais também estão sendo desenvolvidos para aumentar ainda mais as capacidades de monitoramento de segurança. O CDC está empenhado em garantir que as vacinas COVID-19 sejam seguras. ”

Nos próximos meses, funcionários do governo e fabricantes de vacinas, trabalharão para tranquilizar o público sobre a segurança da vacina e o rigor de seu processo de desenvolvimento. Em novembro de 2020, o Diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, Dr. Anthony Fauci, disse ao Kaiser Health News: “A empresa analisa os dados. Eu vejo os dados. Em seguida, a empresa envia os dados para o FDA. O FDA tomará a decisão para fazer uma autorização de uso de emergência ou uma aprovação de pedido de licença. E eles têm cientistas de carreira que são realmente independentes. Eles não estão em dívida com ninguém. Então há outro grupo independente, o Comitê Consultivo de Vacinas e Produtos Biológicos Relacionados. O comissário do FDA prometeu publicamente que ele irá de acordo com a opinião dos cientistas de carreira e do conselho consultivo. ” O presidente eleito Joe Biden disse que tomaria a vacina quando Fauci achar que é seguro.

Um funcionário que, depois de pesquisar a vacina e o processo, ainda quiser recusar quando for oferecida a vacina, dificilmente será demitido por esse motivo, desde que tome outros cuidados, como o uso de máscara. Se o empregador despedir o empregado e este processar o empregador, é impossível prever como um tribunal decidirá o caso. Questões jurídicas relacionadas podem surgir nos próximos meses. Por exemplo:

O empregador está isento de pagar indenização trabalhista ao empregado que se recusa a ser vacinado e contrai o vírus durante o trabalho?

Um possível empregador pode exigir a vacinação COVID-19 como uma pré-condição para o emprego?

É direito do paciente receber uma resposta à pergunta: Meu profissional de saúde foi vacinado contra COVID-19?

Se um hospital permitir que os funcionários recusem a vacinação e continuem trabalhando, e ocorrer um surto e for sugerido, por meio do rastreamento de contatos, que trabalhadores não vacinados infectaram pacientes, o tribunal responsabilizará o hospital pelos danos aos pacientes?

As respostas a essas perguntas ainda serão determinadas.

 

Referente ao artigo publicado em Medscape’s Coronavirus Resource Center

 

Dylvardo Costa

 

 

Autor: 
Dr. Dylvardo Costa Lima
Pneumologista, CREMEC 3886 RQE 8927
E-mail: dylvardofilho@hotmail.com

 

 

 

Assine a NewsLetter, receba conteúdos relevantes e a revista digital do Jornal do Médico. https://bit.ly/3araYaa

Share this post


WhatsApp chat
Send this to a friend