fbpx

Enfrentando a Longa COVID-19

Sintomas de vários órgãos após Covid-19, estão sendo relatados por um número crescente de pacientes. Eles variam de tosse e falta de ar a fadiga, dor de cabeça, palpitações, dor no peito, dor nas articulações, limitações físicas, depressão e insônia, e afetam pessoas de várias idades. Na conferência Lancet em 23 de novembro, Bin Cao apresentou dados sobre as consequências de longo prazo da COVID-19 para pacientes em Wuhan, e alertou que disfunções e complicações podem persistir em alguns pacientes que receberam alta por pelo menos 6 meses. A chamada Longa Covid é uma preocupação crescente com a saúde e é preciso tomar medidas agora para resolvê-la.

A ocorrência de complicações multiorgânicas não é inesperada, visto que o receptor de entrada ACE2 da SARS-CoV-2 é expresso em vários tecidos. Globalmente, há uma resposta crescente a Longa Covid. De 3 a 4 de dezembro, o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA, realizou o primeiro workshop do governo federal sobre Longa Covid. No Reino Unido, o NHS anunciou o lançamento de 40 clínicas para lidar com os sintomas persistentes da Longa Covid, e o NICE lançará suas primeiras diretrizes clínicas em breve. A OMS está planejando atualizar suas orientações e recursos para o gerenciamento clínico da Covid-19 e para incluir a Longa Covid.

No entanto, há muito que a Longa Covid permanece desconhecida, e a resposta a ela ainda está em sua infância. Quais são os diagnósticos, definições e fenótipos de doenças que são agrupados sob o termo Longa Covid? Quanto tempo isso dura? Quem corre risco de sequelas graves ou prolongadas? Quais são as causas e mecanismos subjacentes? Como podemos prevenir ou reduzir os efeitos de tais sequelas na saúde e no bem-estar do paciente? Existem tratamentos eficazes para ajudar na recuperação do paciente e na recuperação de todas as funções? Qual reabilitação é necessária?

Dados robustos e evidências científicas são essenciais para responder a essas perguntas. Estudos de coorte grandes e de longo prazo são urgentemente necessários para ajudar a entender melhor a trajetória, as complicações e os mecanismos biológicos que impulsionam as consequências da Covid-19 para a saúde em longo prazo. Esses estudos devem incluir populações diversas, com pacientes hospitalizados e não hospitalizados, pacientes de cuidados primários e secundários, e pacientes de uma variedade de países de alta, baixa e média renda. Grupos étnicos minoritários e idosos foram desproporcionalmente afetados pela pandemia, portanto, fatores étnicos e demográficos também devem ser considerados durante o recrutamento de pacientes.

As perspectivas do paciente em relação à terminologia dos sintomas e recuperação devem ser incorporadas aos desenhos do estudo para garantir resultados e questões de pesquisa clinicamente significativas. São necessárias colaborações e abordagens multidisciplinares, multicêntricas e multinacionais para a coleta de dados. Os serviços e sistemas digitais devem ser capazes de coletar dados sobre os sintomas em tempo real.

Enquanto isso, como lidamos com a Longa Covid? Em primeiro lugar, os profissionais de saúde devem ouvir os pacientes para entender suas preocupações, validar suas experiências e gerenciar seus sintomas e comorbidades, encaminhando os pacientes quando necessário. Muitos pacientes já se sentem rejeitados ou esquecidos. Sem definições clínicas claras de Longa Covid, e na ausência de um teste diagnóstico ou de um tratamento eficaz, os profissionais de saúde encontram-se em uma posição difícil para ajudar seus pacientes. O conhecimento de evolução lenta de outras condições mal compreendidas (como dor crônica e distúrbios funcionais) mostra os riscos para os pacientes que sentem que seus sintomas estão sendo diminuídos ou ignorados. Sem reconhecimento claro, comunicação honesta e pesquisa cuidadosa centrada no paciente, os pacientes enfrentam resultados insatisfatórios. Esses erros não devem ser repetidos na Longa Covid.

Em segundo lugar, os pacientes que receberam alta devem ter acesso de longo prazo a cuidados multidisciplinares de saúde, incluindo serviços de reabilitação e telessaúde, bem como apoio social e financeiro. Terceiro, a Longa Covid afeta até adultos jovens, portanto, mensagens de saúde pública eficazes para esses indivíduos sobre os riscos de infecção são garantidas. Quarto, os serviços de atenção primária precisam ter capacidade para lidar com pacientes com Longa Covid. Finalmente, é provável que os próprios profissionais de saúde sofram das consequências da Longa Covid, e por isso devem ter uma provisão de saúde ocupacional adequada.

Embora a vacinação tenha se tornado o foco imediato da resposta à pandemia em muitos países, os pacientes com Longa Covid não devem ser esquecidos ou postos de lado à medida que os países começam a considerar o fim da pandemia. Reconhecer a escala potencial do problema agora e as complexidades e variabilidades do curso da doença, e pressionar por melhores pesquisas e cuidados, poderia evitar anos de luta e má gestão para pacientes com Longa Covid.

 

Referente ao artigo publicado em The Lancet

 

Dylvardo Costa

 

 

Autor: 
Dr. Dylvardo Costa Lima
Pneumologista, CREMEC 3886 RQE 8927
E-mail: dylvardofilho@hotmail.com

 

 

 

Assine a NewsLetter, receba conteúdos relevantes e a revista digital do Jornal do Médico. https://bit.ly/3araYaa

Share this post


WhatsApp chat
Send this to a friend