fbpx

Apreciação crítica – Os quatro vasos “canopes” de Horemsaf

Título – Os quatro vasos “canopes” de Horemsaf

Data de Origem / Produção: Período Tardio – 664 – 332 a.C.

Local de Coleta/ Origem -Tumba de Horemsaf/ Egito Antigo.

Dimensões: H: 36,50 cm

Material – Alabastro egípcio (calcita)

Museu – Louvre-Paris

Antiguidades Egípcias

Ala Sully -Térreo

O livro dos mortos

Sala 319

Mostruário – 4 Vasos com vísceras (“canópico”)

 

No Antigo Egito, os vasos canopos ou canópicos eram usados para colocar as vísceras  retiradas do morto durante o processo de mumificação. Os egípcios acreditavam que a preservação dessas vísceras era fundamental para garantir a vida após a morte.

A forma desses recipientes (vasos) variou ao longo do tempo, bem como o material utilizado para confeccioná-los, como: calcário, alabastro, terracota, cerâmica e outros. Em número de quatro, os vasos eram colocados próximos ao sarcófago, na câmara mortuária do túmulo, em uma caixa ou tanque.

Os primeiros recipientes tinham a forma de cofre. Em 1925, foi encontrado na tumba da rainha Heteferés I (IV Dinastia), mãe do faraó Quéops (2589 – 2566 a.C.), um cofre em alabastro com quatro compartimentos.

Durante o Novo Império, as tampas de vasos canópicos adotaram uma iconografia que reproduzia a cabeça de quatro divindades protegendo as vísceras, os  Filhos de Hórus: Amsit com cabeça humana, Hapy com cabeça de macaco, Douamutef com cabeça de cachorro e Qébehsenouf com cabeça de falcão.

Cada um dos Filhos de Hórus, associado a uma deusa, era responsável pela proteção de um órgão: Amsit e Ísis protegiam o fígado, Hapy e Nephthys os pulmões, Douamutef e Neith o estômago e o último Qébehsenouf com Selket os intestinos.

Na 21ª dinastia, ocorreu uma mudança nas práticas funerárias. Os órgãos removidos durante a mumificação eram devolvidos à cavidade abdominal da múmia, após serem mumificados e envoltos em linho, conhecido como “feixes canópicos”.

Privados de suas funções de receptáculos das vísceras, os vasos canópicos tornaram-se componentes dos equipamentos funerários, colocados próximos à múmia. Temos, então, dois tipos de vasos canópicos: falsos e verdadeiros.

Esses quatro vasos canópicos, verdadeiros, mostrados acima, são feitos de calcita. Eles têm rolhas com a efígie dos “Quatro Filhos de Hórus”. Cada um dos vasos, da série pertencente a Horemsaf, tem uma forma esguia, ligeiramente alargada para cima e é oco. Apresenta no corpo uma inscrição incisa de quatro colunas, dispostas em moldura retangular. O entalhe dos bonés é bastante rudimentar, mostrando poucos detalhes de cabeças de animais, cães, macacos e falcões. Apenas um, com uma cabeça humana representando Amsit, é mais polido. Eles podem ser apreciados no Departamento de Antiguidades Egípcias, no Museu do Louvre-Paris.

Fonte: site do Museu do Louvre

Fortaleza, 22 de dezembro de 2020

 

 

dra. ana

 

 

Coluna Medicina, Cultura e Arte
Autora e Coordenadora: Dra. Ana Margarida Arruda Rosemberg, médica, historiadora, imortal da Academia Cearense de Medicina e conselheira do Jornal do Médico.

 

 

 

Assine a NewsLetter, receba conteúdos relevantes e a revista digital do Jornal do Médico com conteúdos exclusivos e assinados por especialistas. https://bit.ly/3araYaa

 

Share this post


WhatsApp chat
Send this to a friend