fbpx

Transmissão do Vírus SARS-CoV-2 no útero

Nenhuma viremia materna, infecção placentária ou transmissão vertical de SARS-CoV-2, ocorreu durante um estudo de biorepositório, que incluiu 64 mulheres com infecção por SARS-CoV-2, relataram os pesquisadores no JAMA Network Open.

Mas os anticorpos SARS-CoV-2 transferidos de forma relativamente ineficiente através da placenta no terceiro trimestre, sugere que os recém-nascidos cujas mães tiveram COVID-19 durante a gravidez, ainda podem ser vulneráveis ​​ao vírus, disseram os pesquisadores. Os anticorpos podem ser transferidos de forma mais eficiente com infecções no segundo trimestre, indicam dados de outro estudo.

“Essas descobertas sugerem que, embora as baixas taxas de viremia materna e os padrões de distribuição placentária do receptor SARS-CoV-2, possam estar subjacentes à raridade da transmissão vertical, a transferência transplacentária reduzida de anticorpos anti-SARS-CoV-2, pode deixar os neonatos em risco de infecção, escreveu a autora do estudo, Andrea G. Edlow. Ele é professor assistente de obstetrícia, ginecologia e biologia reprodutiva na Harvard Medical School e especialista em medicina materno-fetal no Massachusetts General Hospital, ambos em Boston.

Em outro estudo publicado na Cell, a equipe de pesquisa descobriu que, ao contrário das infecções do terceiro trimestre, os anticorpos SARS-CoV-2 são transferidos de forma eficiente após a infecção no segundo trimestre. “Entender como a transferência de anticorpos de novo varia por trimestre, pode apontar para janelas críticas na gravidez que podem ser mais desejáveis, ​​para a indução de anticorpos por meio da vacinação, para otimizar a proteção para a mãe e seu filho”, escreveram eles.

Não está claro se os anticorpos produzidos por vacinas recentemente autorizadas, se transferem de maneira diferente dos produzidos por infecção natural.

 

Tranquilidade, perguntas e preocupações

“Embora não se saiba se a transferência transplacentária ineficiente de anticorpos também se estenderá aos anticorpos produzidos por futuras vacinas SARS-CoV-2, ela ressalta a suscetibilidade dos bebês”, disse Denise J. Jamieson, MD da Universidade da Flórida, em um editorial que acompanha o estudo JAMA Network Open.

E embora a falta de transmissão vertical da doença neste estudo seja reconfortante, mais pesquisas são necessárias, de acordo com o diretor de um instituto federal que ajudou a financiar a pesquisa. “Este estudo fornece alguma garantia de que as infecções por SARS-CoV-2 durante o terceiro trimestre provavelmente não passarão pela placenta para o feto, mas mais pesquisas precisam ser feitas para confirmar esse achado”, disse Diana W. Bianchi, MD, diretora do Instituto Nacional de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano Eunice Kennedy Shriver, em um comunicado à imprensa.

Os autores do estudo teorizam que a baixa incidência de viremia materna e a expressão não sobreposta dos receptores ACE2 e TMPRSS2 da SARS-CoV-2 na placenta, podem proteger contra a infecção placentária e a transmissão vertical.

 

Teste em 3 centros

Para quantificar a carga viral SARS-CoV-2 em biofluidos maternos e neonatais e a passagem transplacentária de anticorpos anti-SARS-CoV-2, os pesquisadores inscreveram 127 mulheres grávidas em três centros terciários em Boston entre 2 de abril e 13 de junho de 2020 O acompanhamento ocorreu até 10 de julho. Os pesquisadores testaram recém-nascidos de mulheres com infecção por SARS-CoV-2 por swab nasofaríngeo com 24 horas de idade.

De 64 mulheres com infecção por SARS-CoV-2, 36% eram assintomáticas, 34% tinham doença leve, 11% doença moderada, 16% doença grave e 3% doença crítica. As análises de carga viral não detectaram viremia no sangue materno ou do cordão umbilical e não houve evidência de transmissão vertical.

A transferência de anticorpos anti-SARS-CoV-2 foi significativamente menor do que a transferência de anticorpos anti-influenza. A proporção média de anticorpo de cordão para materno foi de 0,72 para o domínio de ligação anti-receptor IgG e 0,74 para antinucleocapsídeo, enquanto a proporção para anti-influenza anticorpos era 1,44. A proporção esperada de anticorpos maternos/cordões é de aproximadamente 1,5 para patógenos como coqueluche, influenza e sarampo, observaram os autores.

Entre os participantes com teste positivo para SARS-CoV-2, morte fetal intrauterina de 35 semanas ocorreu em uma mulher assintomática, e morte neonatal de 22 semanas secundária à prematuridade extrema no cenário de descolamento e parto prematuro ocorreu em uma paciente sintomática.

A gravidade da doença materna foi significativamente associada à carga viral respiratória detectável. Além disso, a gravidade da doença foi positivamente correlacionada com a concentração sérica de proteína C reativa e da TGP, e negativamente correlacionada com a contagem de leucócitos.

No estudo Cell que examinou mais profundamente a transferência de anticorpos, os pesquisadores se concentraram em amostras de plasma materno e do cordão umbilical de 22 díades de cordão materno com infecção por SARS-CoV-2 durante a gravidez e 34 díades mãe-recém-nascidos não infectados, bem como uma coorte de segundo trimestre de 29 díades mãe-recém-nascido e uma coorte de validação do terceiro trimestre de 28 díades mãe-recém-nascido.

 

Protegendo bebês

Os resultados apoiam “estudos anteriores que descobriram que, embora a transmissão intrauterina seja possível, não é comum”, observaram os pesquisadores. “A maioria das infecções virais pode ser transmitida por via transplacentária; no entanto, não é bem compreendido por que alguns vírus são transmitidos com relativa facilidade através da placenta (por exemplo, HIV, Zika, vírus herpes simples), enquanto outros, como influenza, raramente são transmitidos.”

Os dados indicam que os bebês estão em maior risco de COVID-19 grave, em comparação com crianças mais velhas. No entanto, a pesquisa sugere que medidas de higiene rígidas podem proteger bebês nascidos de mães com infecção por SARS-CoV-2, acrescentaram.

 

Referente ao artigo publicado em Medscape

 

Dylvardo Costa

 

 

Autor: 
Dr. Dylvardo Costa Lima
Pneumologista, CREMEC 3886 RQE 8927
E-mail: dylvardofilho@hotmail.com

 

 

 

Assine a NewsLetter, receba conteúdos relevantes e a revista digital do Jornal do Médico. https://bit.ly/3araYaa

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Send this to a friend