fbpx

A COVID-19 e os profissionais de saúde no mundo

A pandemia da Covid-19 está afetando fortemente os profissionais de saúde. No jornal The Mirror em 20 de janeiro de 2021: “52.000 funcionários do sistema nacional de saúde britânico (NHS) estão doentes com Covid-19.” Estima-se que mais de 850 profissionais de saúde do Reino Unido morreram de Covid-19 entre março e dezembro de 2020; pelo menos 3.000 morreram nos EUA. Em todo o mundo, o número de mortos e o impacto na saúde física e mental dos profissionais de saúde são assombrosos. Os custos de longo prazo ainda não foram contabilizados. Mas, vários países, principalmente na Ásia, têm sido capazes de controlar os surtos de Covid-19 sem sustentar nenhuma infecção em profissionais de saúde. Os meios para fazer isso agora são amplamente reconhecidos. Eles são caros e inconvenientes para implementar, e exigem a aceitação da predominância da transmissão por aerossol desse vírus, e sua aplicação em um sistema de controle de infecção rigoroso e seguro. Mas isto pode ser feito.

Muito tem sido escrito sobre porque, e como os profissionais de saúde não estão sendo protegidos. Palavras como pensamento de grupo, arrogância, timidez, inércia, falta de visão estratégica e psicopatia, todas aparecem no debate sobre as falhas na gestão da saúde em 2020 e até. No entanto, vou me voltar para uma questão paralela que tem me confundido e a tantos outros: como é possível que os profissionais de saúde em todo o mundo, continuem a se permitir ser “enrolados”, com tão pouca resistência ativa, de “subir na linha de frente até a morte”, como no título da antologia poética da Primeira Guerra Mundial de Brian Gardner, tão apropriadamente?

O entusiasmo popular pelos profissionais de saúde, cresceu na Grã-Bretanha nos primeiros meses da pandemia. Desde a mania da “100ª caminhada do Capitão Tom pelo NHS”, que arrecadou mais de £ 30 milhões para instituições de caridade do NHS, e culminou em uma promoção e um título de cavaleiro para ele em julho de 2020, houve uma manifestação de emoção em massa não vista na Grã-Bretanha desde o final do verão de 1914. Com o tempo, esse derramamento efusivo diminuiu um pouco, como aconteceu há cem anos, mas continua em uma expressão quase religiosa de “amor pelo SNS” e pelos “heróis da saúde”, tão calorosa que é indiscutivelmente uma manipulação flagrante. A implicação é que, se continuarmos dizendo que você é maravilhoso, você terá que continuar se colocando em perigo para cuidar de nós.

Em julho de 2020, pedi o fim imediato na Austrália da retórica dos “trabalhadores da saúde como heróis”, identificando-a como uma distração prejudicial do imperativo legal e moral, de conceder aos trabalhadores da saúde, os mesmos padrões de segurança ocupacional desfrutados pelos trabalhadores em outros indústrias, como da construção ou da mineração. Essa retórica agora diminuiu amplamente na Austrália, ajudada aqui pela extrema escassez de casos da Covid-19 desde outubro de 2020, embora não estejamos mais perto de alcançar um local de trabalho seguro para os profissionais de saúde.

No Reino Unido, a aceitação otimista dos danos aos profissionais de saúde por parte do público, tanto pelo NHS, quanto pelo governo, mas também, pelos próprios profissionais da saúde, tem sido um espetáculo impressionante. Mas a retórica pública efusiva, cujo desenlace é o medo de se sentir em dívida, certamente é apenas parte da história.

Vamos falar francamente agora, não apenas sobre o NHS, mas sobre os sistemas de saúde em todo o mundo. São burocracias de “comando e controle” de cima para baixo, semelhantes às organizações militares. Embora eles estejam transbordando hoje em dia, com belas palavras e declarações de missões carinhosas, todos nós sabemos que são burocracias rígidas e rudes, cujo objetivo principal de subunidades de gestão, é menos de fornecer cuidados de saúde, do que manter o território organizacional. Em tais regimes autoritários, muitas vezes agressivos, a pressão para se conformar com a situação, só precisa ser explícita ocasionalmente. O medo da censura e o medo de decepcionar os outros, farão o resto.

O “novo anormal” é acreditar que é inteiramente razoável que os profissionais de saúde trabalhem com a expectativa de que acabarão por contrair uma doença fatal. Quase todos, desde o público, até os próprios profissionais de saúde, acreditam nisso. E por que não? O organismo egoísta do NHS, com a conivência do governo, manipulou essa enxurrada de sacrifícios individuais, ostensivamente para o bem coletivo.

Contanto que seja geralmente aceita a implicação, de que os profissionais de saúde têm uma obrigação moral inequívoca de tratar os pacientes, independentemente de qualquer risco para eles próprios, os governos são convenientemente liberados da obrigação de fornecer um local de trabalho seguro. Porém, por lei, os funcionários não são obrigados a trabalhar em um local de trabalho inseguro. Nem são eticamente obrigados a fazê-lo. O fato de que eles acreditam que são, é uma outra cilada para a campanha contra os trabalhadores da saúde.

Devemos persistir em bajular e manipular os profissionais de saúde “até a morte”, ou devemos prestar-lhes o respeito que merecem, e fazer o que for necessário para proporcionar-lhes um local de trabalho seguro, digno e atencioso? Para começar, os governos devem proclamar imediatamente uma meta de zero infecções por Covid-19 adquiridas no trabalho em instituições de saúde.

Para cumprir essa meta inteiramente alcançável, precisamos nos livrar dessa crença que tem atormentado a questão até agora. Não é “inevitável” que um trabalhador de saúde deva rotineiramente pegar a Covid-19 no trabalho, pois não é “inevitável” que um trabalhador da construção civil caia de um andaime, ou que um mineiro seja esmagado por uma queda de pedra. Não é “proibitivamente caro” ou “completamente impossível” realizar as melhorias estruturais necessárias nos sistemas de ventilação e edifícios, e fornecer equipamento de proteção individual contra a transmissão aérea dentro de um sistema de controle de infecção rigorosamente vigiado. É a vontade conivente que atualmente não consegue cumprir esses pré-requisitos de um local de trabalho seguro.

O dano moral causado por danos evitáveis ​​a todos os trabalhadores da saúde corta profundamente, e as cicatrizes vão persistir, da mesma forma que as cicatrizes da Primeira Guerra Mundial se arrastaram até o século XXI. Reflita sobre isso quando você for tentado a repetir “nossos heróis da saúde”, porque essa atitude pode representar um perigo para os seus aplausos egoístas.

 

Referente ao artigo publicado em BMJ

 

Dylvardo Costa

 

 

Autor: 
Dr. Dylvardo Costa Lima
Pneumologista, CREMEC 3886 RQE 8927
E-mail: dylvardofilho@hotmail.com

 

 

 

Assine a nossa NewsLetter para receber conteúdos e a RD do Jornal do Médico https://bit.ly/3araYaa

 

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Send this to a friend