fbpx

Há complicações neuropsiquiátricas da COVID-19?

As infecções virais do trato respiratório podem ter efeitos multissistêmicos, inclusive no sistema nervoso central (SNC) e, portanto, podem precipitar um espectro de distúrbios psiquiátricos e neurológicos. Alguns pacientes com Covid-19 são agora conhecidos por desenvolver várias anormalidades do SNC com consequências potencialmente graves e de longo prazo, incluindo acidente vascular cerebral e síndromes psiquiátricas isoladas.

Como os casos de Covid-19 aumentam novamente em todo o mundo, é oportuno revisar o que sabemos e não sabemos sobre as sequelas neuropsiquiátricas agudas e crônicas e seus mecanismos potenciais.

Em estudos de laboratório, o SARS-CoV-2 é neurotrópico (replicando-se nos neurônios) e tem potencial para entrar no SNC por meio dos receptores da enzima 2 de conversão da angiotensina no bulbo olfatório. Se isso acontece em populações clínicas, não está claro. Estudos pós-morte mostram evidências de inflamação cerebral, e estudos de neuroimagem detectam leucoencefalopatia e micro sangramentos em pacientes criticamente enfermos.

Embora o RNA viral esteja normalmente ausente no líquido cefalorraquidiano e nas amostras cerebrais pós-morte, anticorpos para SARS-CoV-2 foram identificados no líquido cefalorraquidiano. Outros mecanismos que causam disfunção do SNC incluem respostas inflamatórias induzidas por citocinas e efeitos sistêmicos mais amplos, como endotelopatia, quebra da barreira hematoencefálica e anormalidades de coagulação.

Mecanismos biológicos adicionais, incluindo autoimunidade, podem ser relevantes para os transtornos psiquiátricos, bem como para o trauma psicológico de doenças com risco de vida e estressores socioeconômicos relacionados à pandemia. As contribuições relativas desses mecanismos para complicações neuropsiquiátricas permanecem amplamente desconhecidas.

 

Sintomas neuropsiquiátricos agudos

Sintomas neuropsiquiátricos, particularmente delirium, eram comuns em surtos de coronavírus anteriores de doença respiratória aguda grave (SARS) e síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS). Até agora, o Covid-19 parece seguir um padrão semelhante: delirium é a síndrome neuropsiquiátrica aguda mais comum e pode ser a única característica de apresentação de Covid-19 em adultos mais velhos e naqueles com demência. O delirium está associado a desfechos mais desfavoráveis ​​e é especialmente prevalente entre pacientes que requerem tratamento intensivo, onde anormalidades cognitivas e comportamentais foram relatadas em um terço dos pacientes após a alta.

A triagem para delirium deve ser considerada em casos agudos, particularmente em adultos mais velhos ou aqueles com demência pré-existente, usando uma ferramenta validada como o 4AT (the4at.com), junto com o monitoramento próximo para resultados adversos de longo prazo, como comprometimento cognitivo. Esforços também devem ser feitos para identificar pacientes com alterações do estado mental não explicadas pelo delirium, pois podem necessitar de abordagens diagnósticas e terapêuticas mais avançadas.

Durante pandemias de coronavírus anteriores, o mau humor e a ansiedade eram comuns na fase aguda da infecção (com psicose e catatonia em uma minoria), e em um estudo de pacientes com Covid-19 internados com síndrome de dificuldade respiratória aguda, a fadiga persistiu após a alta em cerca de um quinto desses pacientes.

O grupo CoroNerve, sediado no Reino Unido, está coletando dados de vigilância por meio de relatórios clínicos de distúrbios neurológicos e neuropsiquiátricos entre pacientes internados com Covid-19. Os relatórios até agora incluem a psicose associada a Covid-19, transtornos do humor e catatonia, bem como encefalopatia, encefalite e outros distúrbios neurológicos em pessoas admitidas com Covid-19.

Os médicos são encorajados e encontrarem esses casos a relatá-los por meio do site do estudo (coronerve.com). A incidência precisa dessas condições e se também estão associadas a formas mais brandas de Covid-19 ainda não estão claras. Altas taxas de ansiedade, depressão e transtorno de estresse pós-traumático foram relatadas em pessoas que se recuperaram após a internação hospitalar por Covid-19, mas ainda é muito cedo para avaliar o efeito total das complicações de longo prazo. Um quadro completo pode demorar anos, como foi o caso quando crianças nascidas durante pandemias de influenza, apresentaram taxas mais altas de transtornos psicóticos na idade adulta.

 

“Longo Covid-19”

No entanto, algumas observações iniciais podem ser feitas. Alguns pacientes tratados no hospital por Covid-19 grave experimentam fadiga incapacitante e dificuldades cognitivas após a alta. Um grupo diversificado de apresentações, cada vez mais referido como “Longo Covid”, também está sendo descrito em pacientes que não necessitaram de tratamento hospitalar. Esses pacientes relatam uma grande variedade de sintomas, persistindo por muitos meses após a infecção aguda. Até o momento, a maioria das pesquisas sobre “Longo Covid” foi conduzida por pacientes, e isso sugere que este é um transtorno comum e incapacitante.

Mais pesquisas informando as diretrizes clínicas e nova compreensão dos mecanismos subjacentes a esse transtorno são necessárias com urgência. É provável que Covid-19 tenha efeitos neuropsiquiátricos importantes a curto e a longo prazo. Dados recentes sugerem que o delirium é a manifestação neuropsiquiátrica aguda mais comum, e tanto o rastreamento de indivíduos em risco quanto o monitoramento de longo prazo devem ser considerados. Complicações psiquiátricas agudas também são uma preocupação, e estudos epidemiológicos e dos mecanismos são necessários para aumentar os esforços atuais de vigilância.

Olhando para o futuro, a “Longa Covid” provavelmente resultará em morbidade populacional substancial, com sérias implicações para a saúde e assistência social. Pesquisas urgentes são necessárias para caracterizar esse transtorno, definir os mecanismos da doença, direcionar o uso de terapêuticas existentes ou o desenvolvimento de novos tratamentos, e direcionar o suporte de saúde e assistência social. Os cientistas clínicos devem trabalhar em estreita colaboração com grupos de pacientes e organizações nacionais e internacionais, como a Unidade de Saúde Mental da OMS. A colaboração ajudará a traduzir os resultados da pesquisa em melhorias significativas no gerenciamento da neuropsiquiatria aguda e de longo prazo da Covid-19. Deve-se apoiar fortemente as mensagens de saúde pública enfatizando a morbidade de longo prazo, incluindo complicações neuropsiquiátricas, associadas com a Covid-19.

 

Referente ao artigo Complicações neuropsiquiátricas do Covid-19, publicado em BMJ

Dylvardo Costa

 

 

Autor: 
Dr. Dylvardo Costa Lima
Pneumologista, CREMEC 3886 RQE 8927
E-mail: dylvardofilho@hotmail.com

 

 

 

Assine a NewsLetter, receba conteúdos relevantes e a revista digital do Jornal do Médico. https://bit.ly/3araYaa

Share this post


WhatsApp chat
Send this to a friend