fbpx

Segundo OPAS, Brasil perderá certificado de país livre do sarampo

Foto: OMS.
Foto: OMS.

O país enfrentou um surto de sarampo enfrentado no começo de 2018 nos estados de Roraima e Amazonas, com cerca de 10.326 casos confirmados, segundo dados oficiais. Por mais que o surto tenha sido controlado, a enfermidade continuou a se espalhar pelo país.

Segundo a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), para que um país perca o certificado de erradicação, é necessário que o vírus tenha transmissão sustentada, ou seja, a doença deve ter novos casos registrados durante o período de um ano. Neste ano de 2019, houveram cerca de 48 novos casos até março de 2019, o que fez o país perder o certificado adquirido em 2016.

O ministério da saúde já informou que trabalha em medidas para conter o sarampo em território brasileiro.

[blockquote]“Nosso plano consiste em encaminhar medidas importantes ao Congresso Nacional, como a exigência do certificado de vacinação, não impeditiva, de ingresso na escola e no serviço militar. Reforçaremos, ainda, o monitoramento da vacinação, por meio dos programas de integração de renda e como norma para os trabalhadores de saúde.”[/blockquote]

Afirmou Luiz Mandetta, atual Ministro da Saúde, em comunicado oficial.

O sarampo é uma doença viral altamente contagiosa. O vírus é transmitido pelo ar e por contato direto e afeta o trato respiratório. O primeiro sintoma a aparecer é a febre alta que pode durar de 4 dias a uma semana. Na fase inicial, o paciente pode apresentar nariz com secreção, tosse, olhos vermelhos e aquoso e em alguns casos manchas brancas no interior das bochechas. Conforme a doença se desenvolve, aparece o sintoma mais característico da doença: o exantema, uma erupção cutânea. O exantema começa no rosto e na parte superior do pescoço e se espalha para outras partes do corpo.

Exantema. Foto: OPAS.

Não há tratamento antiviral para o sarampo. O tratamento da enfermidade se dá pela constante hidratação do enfermo apoiado por uma boa nutrição e antibióticos para tratar infecções nos olhos, nos ouvidos e pneumonia.

vacinas contra o sarampo. Foto: OPAS.

A prevenção é a chave na luta contra o sarampo. A vacina contra o sarampo é comumente incorporada à vacina contra rubéola e caxumba e já existe há 5 décadas, sendo totalmente segura. Entre 2000 e 2017, a vacinação contra o sarampo evitou cerca de 21,1 milhões de mortes.

Fonte: OPAS/OMS

Acompanhe mais conteúdo sobre Medicina, Direito & Saúde em nossos canais digitais Facebook & InstagramBlog e App.

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Send this to a friend