fbpx
impacto da covid 19 na população em geral

ARTIGO: Impacto psicológico da COVID-19 na saúde mental da população

Como resultado do surgimento do surto de doença de coronavírus 2019 (COVID-19) causado por infecção grave por síndrome respiratória aguda do SARS-CoV-2, ocorrido inicialmente na cidade chinesa de Wuhan, uma situação de crise socioeconômica e de sofrimento psicológico rapidamente ocorreu em todo o mundo.

Embora as atividades sociais tenham sido restritas na maioria dos países, quase todos os movimentos individuais não essenciais foram proibidos devido à quarentena, enquanto os hospitais locais receberam subitamente milhares de pacientes com COVID-19 em estado crítico, e foram forçados a implementar seus protocolos de emergência. Nesse contexto, a população em geral e a maioria dos profissionais de saúde da linha de frente, ficaram vulneráveis ​​ao impacto emocional da infecção por COVID-19 devido à pandemia, e aos seus desdobramentos em todo o mundo.

Muitos problemas psicológicos e consequências importantes em termos de saúde mental, incluindo estresse, ansiedade, depressão, frustração e incerteza durante o surto de COVID-19, surgiram progressivamente. As reações psicológicas comuns relacionadas à quarentena de massa que foi imposta para atenuar a disseminação do COVID-19, são a ansiedade e o medo generalizados da comunidade, que normalmente estão associadas a surtos de doenças, que são aumentadas com a escalada de novos casos, e que são agravadas por informações inadequadas e provocadoras de ansiedade que são fornecidas pela mídia.

As reações psicológicas à pandemia de COVID-19 podem variar de um comportamento de pânico ou histeria coletiva a sentimentos difusos de desesperança e desespero, por vezes associados a desfechos negativos extremos, incluindo o comportamento suicida. Por este motivo é importante se identificar outras medidas de saúde que possam estar comprometidas por uma ansiedade anormalmente elevada. À medida que a população em geral se tornou cada vez mais exposta, é necessário identificar rapidamente outros tópicos que possam também provocar ansiedade, relacionados a esse surgimento da crise de saúde, com a consequente repercussão socioeconômica, para detectar precocemente processos disfuncionais e mudanças no estilo de vida adaptativo, que potencialmente possam levar ao aparecimento de condições psiquiátricas, às vezes, latentes.

 

O impacto psicológico da quarentena relacionado à infecção por COVID-19

No mundo moderno atual, em que todos os indivíduos são capazes de viajar e se comunicar rapidamente, raramente a população foi forçada como agora ao isolamento social e às atuais restrições, que estão ligadas a sentimento de frustração e incerteza. Essa situação sem precedentes relacionada ao surto da COVID-19, está demonstrando claramente que os indivíduos estão em grande parte emocionalmente despreparados para os efeitos prejudiciais dos desastres biológicos, e que mostram diretamente como todos podem estar igualmente frágeis e desamparados.

Embora sejam necessárias regulamentações governamentais, para manter o equilíbrio social e garantir a segurança de todos os indivíduos, falta atualmente uma estratégia direta para gerenciar os problemas psicossociais relacionados à crise do COVID-19 e às suas consequências na comunidade.

Os estudos relataram uma maior prevalência de indivíduos com sintomas psicológicos, distúrbios emocionais, depressão, estresse, alterações de humor e irritabilidade, insônia, sintomas de estresse pós-traumático, raiva e exaustão emocional, entre os que estão em quarentena. Notavelmente, o medo, a raiva, a ansiedade, a insônia, a confusão e a tristeza, foram identificadas como respostas psicológicas adicionais ao isolamento social.

Também foram relatadas mudanças comportamentais de longo prazo, como a lavagem frequente das mãos e o afastamento de multidões, bem como um retorno tardio à normalidade, mesmo depois de muitos meses após a quarentena. Assim, o período de quarentena parece ter consequências psicológicas importantes e disfuncionais na saúde mental do indivíduo, não apenas a curto prazo, mas mesmo a longo prazo.

 

Infecção por COVID-19 na saúde mental: quais são as principais reações psicológicas na população em geral?

As evidências existentes mostraram claramente os impactos psicológicos mais relevantes e profundos dos surtos na população em geral. Embora os medos específicos e não controlados relacionados à infecção, a ansiedade generalizada, a frustração, o tédio, e a solidão tenham sido sugeridos como prejudiciais ao bem-estar subjetivo e à qualidade de vida; a resiliência e o suporte social aprimorados, são fatores de proteção essenciais, que podem ajudar no que diz respeito às mudanças no estilo de vida e nos mecanismos de readaptação.

 

Reações psicológicas mais relevantes à infecção por COVID-19

– Medos inespecíficos e não controlados relacionados à infecção è essa é geralmente uma das reações psicológicas mais frequentes às pandemias. Vários estudos existentes demonstraram que aqueles que foram expostos ao risco de infecção, podem desenvolver medos generalizados sobre sua saúde, preocupações em infectar outras pessoas e principalmente, medo de infectar outros membros da família.

Esses indivíduos são os mais vulneráveis do que outros a manifestar preocupações, especialmente se experimentarem sintomas físicos potencialmente ligados à infecção, e temem que os sintomas estejam diretamente associados à infecção ativa, mesmo vários meses após a exposição. Outros estudos relataram que mulheres grávidas e indivíduos com crianças pequenas, correm maior risco de desenvolver o medo de serem infectados ou de transmitirem o vírus.

 

– Ansiedade descontrolada è o isolamento social relacionado às restrições e às medidas de bloqueio, está ligado a sentimentos de incerteza no futuro, medo de agentes infecciosos novos e desconhecidos, que resulta em aumento anormal da ansiedade. A ansiedade pode estar diretamente relacionada à privação sensorial e à solidão generalizada; neste caso, primeiro vem a insônia, mas posteriormente, podem ocorrer a depressão e o estresse pós-traumático. Além disso, a ansiedade está intimamente associada à fadiga e ao desempenho reduzido nos profissionais de saúde, enquanto o tédio e a solidão estão diretamente relacionados à raiva, frustração e sofrimentos relacionados às restrições de quarentena. Além disso, efeitos trágicos adicionais associados à ansiedade generalizada em um período pandêmico, podem estar relacionados ao menor apoio social recebido, à separação dos entes queridos, à perda de liberdade, à incerteza e ao tédio.

 

– Frustração e tédio è angústia, tédio, isolamento social e frustração, estão diretamente relacionados ao confinamento, ao contato social e físico anormalmente reduzido com outras pessoas e à perda de hábitos usuais. A frustração e a solidão generalizada, parecem derivar da inibição de atividades diárias, da interrupção das necessidades sociais e da não participação em atividades nas redes sociais.

Infelizmente, neste contexto, a desesperança juntamente com outras características individuais como a experiência de maus-tratos na infância, bem como a padrões extremos de processamento sensorial, pode prever o comportamento suicida, mas mesmo a raiva insuportável relacionada à imposição de quarentena, também pode levar a resultados negativos mais drásticos.

 

– Solidão incapacitante è o efeito final do isolamento social é a solidão generalizada e o tédio, que têm efeitos dramáticos em potencial no bem-estar individual físico e mental. A solidão generalizada pode estar significativamente associada ao aumento da depressão e do comportamento suicida. Infelizmente, o isolamento é progressivamente aumentado pela ansiedade, pânico ou histeria coletiva. As funções cognitivas e a tomada de decisão são primeiramente prejudicadas pela hiperexcitação e pela ansiedade, e mais tarde, pela incapacidade de lidar com os sentimentos da solidão.

Além disso, o isolamento social e a solidão, também estão associados ao abuso de álcool e drogas, que podem agravar o quadro. Tanto a frustração quanto a solidão generalizada, parecem derivar da inibição das atividades diárias, da interrupção de necessidades sociais, da incapacidade de participar de atividades em redes sociais, e com isso aumenta o risco de desesperança e o comportamento suicida nesse contexto específico. Em geral, já se sabe que longos períodos de isolamento social ou quarentena, podem ter efeitos prejudiciais no bem-estar mental para algumas doenças específicas.

 

Fatores de risco

 – Alexitimia è é uma desordem psicológica inadaptada, caracterizada pela incapacidade de identificar e descrever verbalmente emoções e sentimentos em si mesmo, bem como em outros. O risco de sofrimento relacionado à quarentena também pode ser devido à presença de traços alexitímicos que podem reduzir a resiliência psicológica em alguns subgrupos de indivíduos. A alexitimia pode ser literalmente definida como “sem palavras para a emoção” e foi inicialmente identificada para descrever aspectos cognitivos e características afetivas em pacientes com distúrbios psicossomáticos. Os indivíduos com alexitimia podem mostrar níveis significativamente mais altos de ansiedade, depressão e sofrimento psicológico do que os sem a doença.

 

– Suprimentos inadequados è é importante ressaltar que os sentimentos de frustração e a incerteza tendem a ocorrer mesmo em relação aos suprimentos básicos inadequados (por exemplo, comida, água, roupas, medicamentos, etc.) durante o período de quarentena, que é uma das principais fontes de preocupações, de ansiedade e de raiva, mesmo após 4 a 6 meses após a quarentena. Existem estudos demonstrando que os suprimentos fornecidos pelas autoridades de saúde pública para combater o surto, podem ser inapropriados, ou que a sua liberação pode ser realizada tarde demais para atender com êxito às necessidades básicas da população. Por exemplo, termômetros ou máscaras podem ser recebidos tarde demais, enquanto a água e os alimentos podem ser distribuídos de maneira inconsistente.

 

– Informações inadequadas è as evidências existentes sugerem que as informações precárias ou inadequadas das autoridades de saúde pública, podem ser um estressor adicional significativo, pois fornecem diretrizes inadequadas a respeito das medidas efetivas de controle, ou levam à confusão sobre o objetivo da quarentena, ou relevam a importância das medidas necessárias para combater a propagação da pandemia. A confusão pode estar diretamente relacionada a diferentes abordagens, a mensagens contraditórias de diferentes agentes de saúde pública e de uma má coordenação durante a epidemia.

Há claramente uma falta de transparência das autoridades sanitárias e governamentais em relação à gravidade do surto. Finalmente, afirmam os autores, os sintomas de estresse pós-traumático podem estar relacionados às dificuldades percebidas pela população na interpretação dos protocolos de quarentena, bem como na falta de justificativas e de diretrizes claras.

 

Fatores de proteção

 Resiliência é a resiliência psicológica pode ser geralmente definida como a capacidade de apoiar ou recuperar o bem-estar psicológico durante ou depois de abordar condições estressantes incapacitantes. Embora a interconectividade tenha aumentado drasticamente nas últimas décadas, da mesma forma a vulnerabilidade de bilhões de indivíduos em todo o mundo a patógenos novos ou existentes, aumentou tragicamente sem um aprimoramento correspondente nas habilidades de enfrentamento.

Notavelmente, uma mensagem geral de esperança e proteção social dada pelas autoridades reguladoras da saúde, e por cientistas não apenas sobre o risco de ser infectado, mas também sobre a existência de medidas de contenção que podem ser implementadas nos hospitais e na comunidade como um todo, podem melhorar a resiliência e as habilidades individuais para reagir com sucesso às ameaças sociais.

 

Suporte social é uma mais alta e significativa percepção do apoio social sentida por parte da população, está associada a uma probabilidade reduzida de cada indivíduo desenvolver sofrimento psíquico ou uma condição psiquiátrica. Por outro lado, o apoio social adequado para a população em geral em relação a populações de risco específicas (por exemplo, pacientes infectados, indivíduos em quarentena e profissionais da área médica) deve ser fornecido, oferecendo mensagens direcionadas e personalizadas de acordo com as evidências científicas mais confiáveis.

Relevantemente, são necessárias várias estratégias de apoio à saúde mental em áreas de pandemia, a fim de facilitar as mudanças no estilo de vida e as atividades de readaptação necessárias após a ocorrência de surtos incapacitantes.

 

Estratégias preventivas são estratégias preventivas específicas no nível da comunidade, como (i) implementação de comunicação eficaz e (ii) prestação de serviços psicológicos adequados, devem ser realizadas para atenuar o impacto psicológico e psicossocial do surto de COVID-19. A educação em saúde precisa ser aprimorada usando plataformas on-line, o medo social relacionado ao COVID-19 precisa ser tratado corretamente, enquanto o estigma e a discriminação precisam ser reconhecidos como grandes desafios, capazes de reforçar os sentimentos de incerteza em um período de crise social.

Os protocolos dos hospitais vinculados ao gerenciamento precoce e eficaz das emergências de saúde precisam ser implementados, enquanto os profissionais de saúde precisam ter instalações com proteções adequadas. A comunidade científica deve fornecer informações apropriadas para atenuar o impacto da ansiedade, frustração e todas as emoções negativas que representam importantes barreiras para o gerenciamento correto da crise social e as consequências psicológicas relacionadas à pandemia.

As necessidades não atendidas devem ser rapidamente identificadas pela equipe médica, que precisa se comunicar com frequência e em tempo hábil com a maioria dos pacientes, para entender o risco de desenvolver novos sintomas ou agravar um sofrimento psicológico preexistente.

Além disso, linhas de apoio telefônico, acesso à Internet, redes sociais ativas, blogs e fóruns dedicados devem ser implementados para reduzir o isolamento social e a solidão, além de permitir que populações específicas (por exemplo, indivíduos infectados em hospitais, em asilos ou em quarentenas) tenham uma comunicação bem-sucedida com seus entes queridos.

Populações marginalizadas, como idosos ou pessoas com problemas psicológicos, devem poder consultar ativamente psicoterapeutas clínicos para detectar rapidamente sinais de alerta. Finalmente, a telemedicina deve ser realmente implementada, especialmente em áreas onde os serviços de saúde mental estão mal representados ou gravemente prejudicados pela rápida disseminação de restrições de pandemia e bloqueio. É importante ressaltar que os sintomas relacionados à crise psicológica inicial, juntamente com a necessidade de realizar intervenções eficazes usando a personalização e o monitoramento de reações adversas a drogas psicoativas, devem ser detectados pelos psiquiatras.

 

Em conclusão: a implementação de estratégias baseadas na comunidade para apoiar a resiliência em indivíduos psicologicamente vulneráveis durante a crise do COVID-19, é fundamental para qualquer comunidade. O impacto psicológico do medo e da ansiedade, induzido pela rápida disseminação da pandemia, precisa ser claramente reconhecido como uma prioridade de saúde pública pelas autoridades e formuladores de políticas públicas, que devem adotar rapidamente estratégias comportamentais claras para reduzir o ônus da doença e as dramáticas consequências para a saúde mental provocados pela Covid-19.

 

 

Referente ao artigo: O impacto psicológico da COVID-19 na saúde mental na população em geral. Publicado em An International Journal of Medicine.

 

Dylvardo Costa

 

 

Autor: 
Dr. Dylvardo Costa Lima
Pneumologista, CREMEC 3886 RQE 8927
E-mail: dylvardofilho@hotmail.com

 

 

 

Share this post


WhatsApp chat
Send this to a friend