fbpx

Artigo: Em busca da vacina anti-covid-19 ideal

26O sistema imunológico é nosso sistema de defesa, de proteção. Ele produz imunoglobulinas (Ig), como a IgM e IgG, que, em contato com o antígeno, gerarão os anticorpos (Ac). Ele também permite às células hospedeiras de vírus liberar interferon (IFN), que é um grupo de proteínas de sinalização, feitas e liberadas por células hospedeiras, em resposta à presença de vários vírus. Assim, uma célula infectada por vírus libera interferons, fazendo com que as células próximas aumentem suas defesas antivirais. Os IFN pertencem à grande classe de proteínas conhecidas como citocinas, moléculas usadas para comunicação entre as células para acionar as defesas protetoras do sistema imunológico.

O contato humano com o vírus Sars-Cov-2 se dá, muitas vezes, por perdigotos, gotículas de saliva contendo vírus, dispensadas ao ar durante tosse ou espirro, na ausência de etiqueta respiratória. Este contato também pode se dar ao encostar as mãos em superfícies contaminadas e depois tocar nos olhos, nariz, boca, pois os vírus invadem e tomam conta das células que revestem olhos, fossas nasais e boca. A partir daí, essas unidades deixam de funcionar e criam incessantemente cópias do agente infeccioso, que causam estragos locais e caem na circulação sanguínea para atacar órgãos e sistemas. Para conter sua replicação, o sistema imunológico fabrica substâncias inflamatórias, que mexem com a temperatura corporal, gerando febre. O aparelho respiratório é afetado, gerando tosse. A produção de muco ajuda a expulsar os invasores dali.

Numa virose comum, as células de defesa lançam Imunoglobulinas na fase aguda (IgM) e crônica (IgG), que se ligarão aos antígenos (Ag), constituindo os Anticorpos (Ac), que bloquearão outras unidades virais e em sete dias, tudo tende a se normalizar. Já na Covid-19, quando o vírus começa a se multiplicar dentro do corpo, o sistema imunológico se atenta à presença do corpo estranho (SARS-CoV-2) e passa a agir também. Uma das reações do organismo humano tem sido a “tempestade de citocinas”, substâncias produzidas pelo sistema imunológico que têm por característica instigar uma reação inflamatória. Embora aconteça em qualquer pessoa, entre aqueles com fatores de risco para Covid-19, a reação do corpo pode ser mais severa. Isso explica a pneumonia (inflamação dos pulmões) comum nos pacientes desta doença, entre outros órgãos que também podem ser afetados, como o coração, fígado, rins e intestino, além de estudos que destacam sua atuação no sistema neurológico e hematológico. A tempestade de citocinas vai produzir muitas substâncias inflamatórias e, para controlar essa tempestade, pesquisadores estudam o uso de tratamento com anticorpos para bloquear a ação dessas substâncias, além de vários grupos farmacológicos ainda em teste, a exemplo de coquetel com antiparasitário, antigripal, corticoide e antibiótico. Há também muitas (mais de 100) vacinas em desenvolvimento, sendo as mais adiantadas as do quadro 1.

26

Quadro 1: Principais vacinas mundiais anti-SARS-CoV-2. Fortaleza-Ceará, Ago./2020.

País de origemNome

da vacina

Material utilizadoFase atualPrevisão de conclusãoDescrição
ChinaEmpresa CansinoAdenovírus geneticamente modificado (vetor viral)Neuralizou 11 cepas do Sars-CoV-2 em cobaias. Aumentou em 10 vezes a produção de anticorpos (Ac), comparando com curados, em roedores. Protegeu da Covid-19 um grupo de macacos, ratos e camundongos. Realizando testes clínicos.
China

(Em teste no Brasil)

CoronavacVírus inativadoFim da fase 3. Testes no Brasil autorizados pela Anvisa em jul./20Da Sinovac, testada na China e Brasil. Finda sua fase 3 e aprovada na 4, sua tecnologia será cedida ao Instituto Butantã-Brasil. Vacina mais avançada.
JapãoUniversidade de OsakaVírus inativado
Estados Unidos da América (EUA)mRNA-1273RNA mensageiro do vírus codifica sua proteína Spike (S)Fase 312/20-01/21A Moderna Therapeutics anunciou em 12/05/20 avanço na pesquisa e informou que Food and Drug Administration-FDA concedeu “fast track”, atestando experimento acelerado. Sua fase 3 começou em junho. Parceira do Instituto Nacional de Saúde dos EUA. Sua fase 2 foi aprovada pelo FDA (equivalente à Anvisa no Brasil). É uma das mais avançadas.
EUAINO-4800DNA sintético, que espera induzir o corpo a produzir a proteína SFase 312/2020
EUA

(Com autorização para teste no Brasil)

vetor viral (usa vírus inofensivo modificado geneticamente, que produzirá proteína S)Simultaneidade

de fases 1 e 2

Da empresa Janssen, braço farmacêutico da Johnson & Johnson, teve seus estudos iniciados em julho de 2020 com suas fases 1 e 2 iniciadas simultaneamente e em dois países – EUA e Bélgica . Foi autorizada em agosto de 2020 pela ANVISA para testagem de sua fase 3 no Brasil a partir de setembro de 2020, após finalizar suas fases 1 e 2.
Inglaterra

Reino Unido

(Em teste no Brasil)

ChAdOx1

(Oxford)

vírus modificadoFim da fase 3.

Brasil receberá lotes desta e Fiocruz poderá produzi-la.

Dez/2020Partiu de pesquisa anterior com outro coronavírus (causador do Mers, família do SARS-Cov-2). Realizou teste em macaco rhesus com bom resultado (1 dose imunizou 18 animais), publicados na Science Advances. Usa adenovírus como vetor e introduz nele a proteína Spike (S) do SARS-Cov-2 para induzir produção de Imunoglobulinas (Ig) anti proteína S. Na Fase 3 no Brasil, autorizado pela Anvisa em 06/2020.
Alemanha

(Em teste no Brasil)

CureVacRNAFase 3, com Testes no Brasil autorizados pela ANVISA em julho/20Pfizer e BioNTech prometem “milhões de doses” de vacina até 12/20. Testaram 45 voluntários e conseguiram mais anticorpos anti-SARS-Cov-2 que a doença. Promete fase 5 curta, pois usarão várias fábricas para produção simultânea dos frascos de vacina.
AustráliaBCGbaciloUsada desde 1921 (quase 100 anos), estudada para combater o SARS-CoV-2. A vacina bacilo Calmette–Guérin (BCG) é famosa por ser eficaz contra tuberculose e reduzir risco de morte por diferentes vírus e bactérias. Estudada pelo Instituto Telethon Kids.
Brasilvírus-like particles (VLP)Partícula do vírus sem material genéticoDesenvolvida pelo Instituto do coração-Hospital das Clínicas da USP.
RússiaSputnik V2 doses, com intervalo de 21 dias. Contêm 2 vetores adenovírus: AD.26 e AD.5Fase 3Já possuem os resultados dos testes clínicos das fases 1 e 2, mas que esses dados só serão compartilhados com os países “parceiros”. Aprovada em 11 de agosto pelo governo russo. Sofre desconfiança de pesquisadores e líderes mundiais pela falta de transparência na divulgação dos resultados prévios de fases anteriores dos testes.
Itália GRAd-COV2Fim da fase 2Instituto Lazzaro Spallanzani, um hospital de Roma especializado em doenças infecciosas. Empresa ReiThera.

Fonte: OMS, 2020; NIHCT, 2020.

 

O caminho tradicional para desenvolver uma vacina tem, pelo menos, seis fases: 1)estudo do patógeno, escolha do tipo de vacina mais viável e fabricação da vacina; 2)testes em animais (ensaios pré-clínicos); 3) testes em humanos para verificar segurança, resposta imunológica e capacidade protetora(ensaios clínicos); 4)resultados das pesquisas com a vacina são checados por agências sanitárias regulatórias; 5)produção e distribuição da vacina para consumo; 6)acompanhamento e fiscalização dos resultados obtidos em larga escala.

 

Fase

Vacina

123456Previsão de conclusão
mRNA-1234 (EUA)Final de 2020 ou início de 2021
INO-4800 (EUA)Final de 2020
CureVac (Alemanha)Testes no Brasil autorizados pela ANVISA em julho/20
ChAdOx1 (Oxford)

Brasil receberá lotes desta e FIOCRUZ poderá produzi-la.

Testes no Brasil autorizados pela ANVISA em junho/20Dez./2020
Coronavac (Chinesa)

Finda sua fase 3 e aprovada na fase 4, sua tecnologia será cedida ao Instituto Butantã, SP-Brasil.

Testes no Brasil autorizados pela ANVISA em julho/20A mais avançada. Está no final da fase 3 e quase iniciando a fase 4
Da Johnson & Johnson (EUA)Iniciadas fases 1 e 2 simultaneamente nos Estados Unidos e Bélgica em Julho de 2020.Testes no Brasil autorizados pela ANVISA em agosto/20 para iniciar em setembro de 2020. Depois que finalizar completamente as fases 1 e 2, que estão correndo simultaneamente.

A Coronavac chinesa é uma das vacinas mais adiantadas, junto com a m-RNA-1273 Norte-Americana, com o plus da primeira ser uma vacina feita com o próprio vírus, enquanto a m-RNA-1273 é de RNA, que normalmente tem menor efeito.

Desde que o mundo é mundo, conhecimento é poder! Atualmente, cada país corre para lançar primeiro a vacina ideal contra Covid-19, mas nenhuma delas está disponível no momento. Assim, na ausência de fármaco específico ou vacina, #PERMANEÇA EM CASA!!!

 

REFERÊNCIAS:

NIHCT – U. S. NATIONAL LIBRARY OF MEDICINE. Clinical Trials. [2020]. Disponível em https://clinicaltrials.gov/. Acesso em: 26 ago. 2020.

OMS – ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. [2020a]. Disponível em: https://www.who.int/ith/diseases/sars/en/; https://www.who.int/emergencies/mers-cov/en/. Acesso em: 26 ago. 2020.

 

Thereza Maria Magalhães MoreiraSobre a autora:

Profa. Dra. Thereza Maria Magalhães Moreira

Enfermeira e Advogada, Professora do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Ceará-UECE. Pesquisadora do CNPq, Membro do Grupo de Trabalho-GT da UECE para enfrentamento à Covid-19

 

Assine a NewsLetter, receba conteúdos relevantes e a revista digital do Jornal do Médico. https://bit.ly/3araYaa

Share this post


WhatsApp chat
Send this to a friend