fbpx

Apreciação Crítica da obra de Gaston Mélingue (1839-1914)

Descrição Técnica

Autor – Gaston Mélingue (1839-1914)

Título – Dr. Edward Jenner (1749-1823) realizando a primeira vacinação contra varíola em 1796

Data – 1879

Técnica – óleo sobre tela

Localização – Collection Bibliothèque de l’Académie Nationale de Médecine, Paris.

(Coleção da Biblioteca da Academia Nacional de Medicina, Paris).

 

Gaston Georges Théodore Mélingue, pintor francês, nasceu em 1840, em Paris, e morreu, em 1914, em Paris, com 74 anos. Seu pai, Étienne Mélingue, era ator, pintor e escultor. Sua mãe, Théodorine Thiesset, era atriz e pintora. Seu irmão mais novo, Lucien-Étienne Mélingue, seguiu, também, a carreira de pintor. Gaston Mélingue estreou no Salon de Paris (Salão de Paris), em 1861. Conhecido como Le Salon, o Salão de Paris foi fundado, em 1667, para exibir obras de arte, principalmente pinturas, pelos membros da Académie royale de peinture et de sculpture (Academia real de pintura e escultura). Gaston especializou-se no gênero da pintura histórica. Suas obras estão espalhadas em diversos museus na França.

No centro desta tela observamos o médico britânico, Edward Jenner (1749-1823), inoculando no braço esquerdo do garoto James Phipps, filho de seu jardineiro, fluido retirado de uma pústula. O menino, de oito anos, está sentado em uma poltrona e virado para um senhor, possivelvemente seu pai, que o abraça em um gesto de proteção. Atrás, uma jovem, talvez a mãe do menino, observa a cena. Um senhor e duas senhoras se postam ao lado do Dr. Jenner. O senhor, segurando um chapeu, e uma das senhoras, com a mão no queixo, observam com curiosidade o procedimnto médico. A outra senhora, Sarah Nelmes, recostada em uma coluna e ao lado de um balde de leite, enrola a mão com um pano para proteger o ferimento causado pela retirada do fluido das vesículas que tinha na mão e que estava sendo inoculado no braço do garoto.

Em 1789, Edward Jenner, em Berkely, pequena localidade rural inglesa, observou que as vacas tinham, nas tetas, feridas iguais às provocadas pela varíola humana. Esses animais desenvolviam a varíola bovina (cowpox), uma forma leve da doença. Em maio de 1796, Jenner resolveu testar o ditado popular que dizia: “quem lida com gado não contrai varíola”. Partindo da observação de que as pessoas que eram expostas ao vírus bovino, quando ordenhavam as vacas, contraíam uma forma branda da doença, ele resolveu fazer uma experiência com o garoto James Phipps (1788-1853).

O Dr. Jenner inoculou no garoto pus das bolhas das mãos de Sarah Nelmes, uma leiteira que adquiriu a varíola bovina através do contato com o gado doente. O garoto teve um pouco de febre e curou-se rápidamente. Após seis semanas, Jenner inoculou no mesmo garoto fluido de uma pessoa com varíola e o menino não desenvolveu a doença. Posteriormente, Phipps foi inoculado com varíola mais de vinte vezes, sem sucumbir à doença. Estava descoberta a propriedade de imunização que levou à erradicação, em 1980, de uma das doenças mais temidas pela humanidade, a varíola.

 

Ana Margarida Furtado Arruda Rosemberg

Fortaleza, 10/09/2020

 

dra. ana

 

 

Coluna Medicina, Cultura e Arte
Autora e Coordenadora: Dra. Ana Margarida Arruda Rosemberg, médica, historiadora, imortal da Academia Cearense de Medicina e conselheira do Jornal do Médico.

 

 

 

Assine a NewsLetter, receba conteúdos relevantes e a revista digital do Jornal do Médico com conteúdos exclusivos e assinados por especialistas. https://bit.ly/3araYaa

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Send this to a friend