fbpx

Pessoas com histórico de reações alérgicas não devem receber a vacina Pfizer?

Pessoas com histórico de uma reação alérgica significativa a uma vacina, medicamento ou alimento ou que foram aconselhadas a carregar um auto-injetor de adrenalina, não devem receber a vacina Pfizer/BioNtech Covid-19, disse o regulador de medicamentos do Reino Unido.

A Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde (MHRA) está atualmente investigando dois casos de reações anafilactoides em funcionários do NHS que receberam a vacina em 8 de dezembro. Ambas as pessoas, que se recuperaram, tinham um histórico de reações alérgicas graves, e eram portadoras de injetores automáticos de adrenalina.

A MHRA disse às pessoas que administrarem a vacina, para relatarem quaisquer suspeitas de reações adversas por meio do site do esquema do cartão amarelo, e para garantirem que tenham instalações de ressuscitação adequadas disponíveis.

A vacina de mRNA foi até agora aprovada no Canadá e no Reino Unido, onde pessoas com mais de 80 anos e as que estão no hospital ou recebendo alta, bem como os profissionais de saúde, estão sendo priorizadas. Um ensaio clínico de fase III revelou que é 95% eficaz 28 dias após a primeira dose. Os dados do ensaio ainda não foram publicados ou revisados ​​por pares.

Em um comunicado a Pfizer disse: “Fomos avisados ​​pela MHRA sobre dois relatórios de cartão amarelo que podem estar associados a uma reação alérgica devido à administração da vacina Covid-19 BNT162b2. Como medida de precaução, a MHRA emitiu orientação temporária para o NHS, enquanto conduz uma investigação para compreender plenamente cada caso e suas causas. A Pfizer e a BioNTech estão apoiando a MHRA na investigação. ”

 

Sistema de monitoramento

O folheto informativo da Pfizer sobre a vacina, afirma que ela não deve ser administrada a pessoas que sejam alérgicas à substância ativa ou a qualquer outro ingrediente deste medicamento. Dessa forma, pessoas com histórico de reação alérgica grave a qualquer componente da intervenção do estudo, foram excluídas dos ensaios clínicos.

No entanto, um documento informativo da Food and Drug Administration dos EUA em 10 de dezembro, observou que os dados do ensaio mostraram um “ligeiro desequilíbrio numérico de eventos adversos potencialmente representando reações alérgicas, com mais participantes relatando eventos adversos relacionados à hipersensibilidade no grupo da vacina (137 (0,63 %)) em comparação com o grupo de placebo (111 (0,51%)). ”

Especialistas enfatizam que reações alérgicas podem ocorrer com qualquer substância, mas afirmam que a rápida ação da MHRA, mostrou que o sistema de monitoramento está funcionando.

Peter Openshaw, ex-presidente da Sociedade Britânica de Imunologia, disse: “Como acontece com todos os alimentos e medicamentos, há uma chance muito pequena de uma reação alérgica a qualquer vacina. Semelhante ao lançamento de todas as novas vacinas e medicamentos, esta nova vacina Covid-19 está sendo monitorada de perto pela MHRA.

“Eles agora vão investigar esses casos com mais detalhes para entender se as reações alérgicas estavam ligadas à vacina ou eram acidentais. O fato de sabermos tão cedo sobre essas duas reações alérgicas e que o regulador agiu sobre isso para emitir conselhos de precaução, mostra que este sistema de monitoramento está funcionando bem. ”

Penny Ward, professora visitante de medicina farmacêutica no King’s College, em Londres, disse: “Entende-se que as pessoas em questão tinham um histórico de alergia grave o suficiente para exigir que portassem um auto-injetor de adrenalina; essas pessoas correm maior risco de uma reação alérgica a um novo desafio em comparação com a população sem histórico de alergia grave. Essas duas reações foram tratadas e entende-se que as pessoas afetadas se recuperaram bem ”.

Stephen Evans, professor de farmacoepidemiologia da London School of Hygiene & Tropical Medicine, acrescentou: “Para a população em geral, isso não significa que eles precisariam ficar ansiosos ao receber a vacinação. É preciso lembrar que quaisquer substancias podem causar reações alérgicas graves inesperadas. ”

 

Referente ao artigo publicado em BMJ

 

Dylvardo Costa

 

 

Autor: 
Dr. Dylvardo Costa Lima
Pneumologista, CREMEC 3886 RQE 8927
E-mail: dylvardofilho@hotmail.com

 

 

 

Assine a NewsLetter, receba conteúdos relevantes e a revista digital do Jornal do Médico. https://bit.ly/3araYaa

Share this post


WhatsApp chat
Send this to a friend